Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Quer saber o principal risco e o maior trade de junho? Veja pesquisa do BofA ML

Valter Outeiro da Silveira - 18/06/2019 - 19:21
Investidores estão mais “bearish” desde crise financeira global, diz estrategista-chefe da ML (Imagem: Pixabay)

O Bank of America Merrill Lynch publicou relatório mensal de pesquisa com os gestores, no qual avalia as alocações das assets managements e pondera os riscos existentes no radar dos investidores institucionais.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Em relação às alocações, a proporção retida em dinheiro subiu de 4,6% para 5,6% durante os últimos três meses – maior salto de posições líquidas desde a crise da dívida europeia em 2011.

As ações e os fundos de ações “queridinhos” dos maiores investidores do País, segundo a SmartBrain

“Os investidores de fundos nunca estiveram tão “bearish” desde a crise financeira global, com o pesimismo guiado pela guerra comercial e preocupações em torno da recessão”, disse Michael Hartnett, estrategista-chefe de investimentos.

Small Caps: Tudo o que você precisa saber

“O “dano do comércio” são maiores yields e maiores altas nas ações, principalmente se o Federal Reserve cortar o juro básico na quarta-feira (19)”, completou Hartnett.

Riscos e alocações

Em relação aos riscos, os relacionados à guerra comercial mantiveram-se pelo terceiro mês consecutivo como o principal na cauda, com 56% dos investidores listando preocupação em relação à temática. O avanço foi de 19 pontos percentuais em relação à última pesquisa.

Por sua vez, o principal trade realizado a posição “long em Treasuries”, com 27% dos respondentes apresentando a posição como a principal. É a primeira vez que a alocação em títulos da dívida norte-americana é citada como posicionamento principal dos investidores institucionais.

A pesquisa foi conduzida entre 7 e 13 de junho, com 230 respondentes e AuM (Assets under Management) de US$ 645 bilhões.

Última atualização por Gustavo Kahil - 18/06/2019 - 19:36