Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Principais economias da Europa podem se beneficiar de guerra comercial, diz Barclays

Valter Outeiro da Silveira - 18/06/2019 - 8:43
Guerra comercial entre EUA e China pode beneficiar Alemanha, França e Reino Unido (Imagem: Pixabay)

Para Christian Keller, head de pesquisa econômica do Barclays, França e Alemanha podem surgir como grandes vencedores da escalada das tensões comerciais entre China e EUA.

EUA e China não deverão fechar acordo no G20, diz secretário do comércio

“Nossa comparação com a estrutura de importações da China com os principais parceiros comerciais revela que França, Alemanha e Reino Unido são as “proxies dos EUA” mais próximas em termos de relativa descomposição setorial de suas exportações à China”, afirma a instituição britânica, segundo a CNBC.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Neste sentido, Keller destaca que espera que “estes países saiam como vencedores se a China optar por realizar suas compras em outros países”.

China pede para EUA não abrir “caixa de Pandora” no Oriente Médio

Cenário-base

O novo cenário-base do Barclays assume a totalidade da guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, panorama no qual os EUA imporão tarifas adicionais de 25% sobre todos os produtos chineses, com retaliação de Pequim.

Small Caps: Tudo o que você precisa saber

Caso o cenário se materialize, o comércio bilateral entre os dois países se reduzirá em cerca de 30%. “Assumindo que os líderes de mercado em cada setor se beneficiariam mais com uma redução de 30% nas exportações dos EUA, estimamos que a [Zona do Euro] poderia aumentar suas exportações para a China em 0,1% do PIB, particularmente no setor automotivo e, até certo ponto, nos produtos químicos”, avalia o Barclays.

Por fim, o banco britânico destacou que as negociações entre EUA e Zona do Euro podem ser estremecidas, o que poderá facilitar um maior fluxo comercial entre o velho continente e a China.

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 18/06/2019 - 9:30