Cotações por TradingView

Habib’s e Minerva ignoram bem-estar animal em seus negócios, indica ranking; Veja lista

Diana Cheng - 26/02/2019 - 16:24
(Divulgação)

As empresas Habib’s e Minerva (BEEF3) foram classificadas no nível 6 – sendo 1 o melhor e 6 o pior – do sétimo relatório Business Benchmark on Farm Animal Welfare (BBFAW 2018), divulgado nesta terça-feira (26).

-> Inscrições abertas: Você vai se tornar um investidor completo hoje mesmo (ver vídeo!)

Tesouro Direto é da galera: 845 mil já aplicam e número chega a recorde

Continua depois da publicidade

A BRF (BRFS3) e a JBS (JBSS3) caíram um nível, indo do 2 para o 3. Assim, elas acabaram se igualando à Marfrig (MRFG3). A Aurora passou a ser incluída na edição de 2018 e já ocupa o nível 4.

“Enquanto algumas empresas de alimentos trabalham duro para melhorar o bem-estar animal em suas cadeias de fornecimento, outras nem sequer incluem o tema em sua agenda de trabalho”, afirma José Rodolfo Ciocca, gerente de agropecuária sustentável da Proteção Animal Mundial.

Segundo o gerente, a falta de informação por parte das empresas foi o que determinou a classificação dessas empresas. “Nossa recomendação é que as empresas melhorem a qualidade e mantenham atualizadas as informações fornecidas ao público”, comenta Ciocca, que ainda ressalta: “É preciso deixar claro a posição da companhia em elementos-chaves do bem estar animal, como confinamento, mutilações, insensibilização pré-abate e transporte de animais vivos”.


Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Conclusões

Dentre as 155 empresas globais avaliadas nessa edição, 53% possuem determinações explícitas de seus conselhos administrativos ou direção executiva sobre o bem-estar dos animais de fazenda, um crescimento visível em comparação a 2012, quando o percentual era de 22%.

A maioria – 71% – publica seus objetivos formais e os compromissos para melhorar o bem-estar dos animais contra os 26% de seis anos atrás.

No entanto, somente pouco mais da metade compartilha a proporção de animais livres de confinamento, e apenas uma em cada quatro empresas fornece informações sobre a proporção de animais insensibilizados antes do abate. Também foi constatado que uma em cada cinco empresas apresenta relatórios sobre o tempo de transporte de animais vivos.

Helena Pavese, diretora-executiva da Proteção Animal Mundial no Brasil, diz que o bem-estar animal é um assunto que não pode mais ser ignorado pelos produtores, os supermercados e as cadeias de restaurantes. “Os consumidores de hoje possuem mais informações e mostram que se importam cada vez mais com o bem-estar dos animais quando decidem onde comprar e comer”, ressalta.

Veja o relatório na íntegra:

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você