Últimas Notícias Perspectivas 2019 Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Benndorf Research apresenta nova carteira semanal

Gustavo Kahil - 27/08/2018 - 15:55

A Benndorf Research apresentou nesta segunda-feira (27) a sua carteira semanal com a seleção de quatro ativos: Gerdau Metalúrgica (GOAU4), CVC (CVCB3), NotreDame (GNDI3) e Weg (WEGE3).

Gerdau Metalúrgica

Para o analista Victor Benndorf, após um breve movimento corretivo, as ações confirmam um rompimento de resistência e uma continuação da tendência de alta no curto prazo.

“Esse movimento abre uma nova compra para aqueles que ainda não estão posicionados com alvo nos R$ 9 reais e stop na perda dos R $7,50 (para novas posições). Recomendamos posições mais leves neste momento e adição de exposição após um sólido rompimento dos R$ 8,20”, explica.

CVC Brasil

A Benndorf explica que a reversão positiva nos R$ 40 confirma o canal lateral no curto prazo e abre espaço para compras de swing trading e longo prazo. O alvo para operações de curto prazo está na casa dos R$ 46 e o stop total na perda dos R$ 40. Um sólido rompimento dos R$ 46 nas próximas semanas abre espaço para operações mais agressivas.  

“Acreditamos que o mercado tem exagerado na precificação dos riscos locais para CVC com a empresa mais que provando a sua forte execução e resiliência em cenários adversos“, ressalta.

NotreDame

O relatório aponta que as ações estão confirmando o suporte nos R$ 23,50 e que um sólido rompimento dos R$ 25,20 deve reiniciar o viés de alta no curto a médio prazo com alvo ajustado nos $27. “Recomendamos um novo gatilho de compra nos $25,50 com stop na perda dos R$ 23,50”, explica a avaliação.

Weg

A Weg apresentou um sólido rompimento da resistência nos R $18,30 e confirmou um novo canal de alta com alvo entre R$19,50 e R$ 20. A recomendação é de compra desse movimento (R$ 18,35), com posições moderadas e stop na perda dos R$ 17,20.

“A empresa segue em nosso radar após um bom segundo trimestre de 2018 (bom, mas sem surpresas) e por manter uma exposição favorável ao cenário atual (tanto para a alta do dólar via exportação como para uma melhora no cenário local / eleição)”, finaliza.