Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Venda de cimento no Brasil sobe em setembro, mas setor ainda vê fraqueza, diz Snic

Reuters - 08/10/2019 - 13:23
Cimento
 O maior crescimento no comparativo anual ocorreu na região Sul, de 10,6% (Imagem: REUTERS/Washington Alves)

As vendas de cimento no Brasil em setembro subiram 5,3% sobre um ano antes, a 4,7 milhões de toneladas, afirmou nesta terça-feira a associação que representa fabricantes do insumo no país, Snic.

Na comparação com agosto, as vendas recuaram 6,3%, segundo a entidade. Por dia útil, as vendas de setembro subiram 2,7% ante agosto. No acumulado de janeiro a setembro, a indústria teve alta de 3% nas vendas de cimento, a 40,5 milhões de toneladas.

Para o presidente do Snic, parte da expansão das vendas pode ser atribuída à fraca base de comparação do ano passado, que teve o segundo semestre impactado pelas consequências da greve dos caminhoneiros.

“A forte desaceleração econômica registrada a partir de maio de 2018 também levou a um fraco desempenho no ano passado. Isto tem projetado para cima os resultados de 2019”, disse em comunicado o presidente do Snic, Paulo Camillo Penna. Segundo ele, o setor deixou de vender 900 mil toneladas de cimento por causa da greve dos caminhoneiros de maio de 2018.

Em setembro, o maior crescimento no comparativo anual ocorreu na região Sul, de 10,6%. No Sudeste, houve expansão de 5,4%, enquanto no Centro-Oeste a comercialização subiu 4,6%. As vendas no Nordeste também subiram no período, 3,6%, mas no Norte houve queda de 2,8%, segundo o Snic.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

“As pesquisas de mercado têm mostrado uma retomada dos lançamentos e das vendas de imóveis de classe média e alta, movimento mais concentrado na região Sudeste, especialmente em São Paulo”, afirmou Penna.

“A redução das taxas de juros para imóveis residenciais deve manter a sustentação da demanda por construções imobiliárias”, adicionou Penna, lembrando que o importante segmento de infraestrutura segue pressionado por contingenciamento e dificuldades fiscais dos três níveis de governo.

Última atualização por Bruno Andrade - 08/10/2019 - 13:23