Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Reino Unido vai fechar o cerco sobre o mercado de criptomoedas em função da lavagem de dinheiro

Leandro França de Mello - 09/10/2019 - 17:00
O regulador bancário e de mercado financeiro do Reino Unido, vem dando sinais de que pretende engrossar as regulações sobre o mercado de criptoativos britânico (Imagem: Pixabay)

A Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido (FCA, na sigla em inglês) está reprimindo as bolsas de criptomoedas, caixas eletrônicos e projetos de código aberto, como fornecedores de carteiras de criptomoedas. Esses serviços terão de cumprir os regulamentos contra lavagem de dinheiro até 2020, impondo controles no estilo bancário sobre o mercado de criptoativos no país.

A decisão veio como parte da declaração de políticas públicas da FCA sobre criptomoeda, “PS19 / 22: Guidance on Cryptoassets”, destinada a emissores de tokens, desenvolvedores de software, bolsas ou empresas de investimento que lidam com criptomoedas.

Segundo a FCA todas as empresas envolvidas em qualquer uma das seguintes atividades serão forçadas a cumprir as leis de bancárias do Reino Unido, incluindo:

– Bolsas de criptomoedas e serviços baseados em ponto a ponto (P2P)
– Caixas eletrônicos (ATM) de criptomoedas
– Emissão de novos tokens
– Lançamentos de software de código aberto envolvendo criptomoedas

Apenas algumas semanas atrás, o órgão fiscalizador financeiro do Reino Unido repetiu que poderia proibir derivativos de criptografia para clientes de varejo no início de 2020, oferecendo uma série de razões dúbias para a possível proibição.

A FCA disse em um comunicado de imprensa em seu site que considera esses produtos “inadequados” para investidores de varejo que não conseguem “avaliar com segurança o valor e os riscos de derivativos ou ETNs que fazem referência a certos criptoativos”. Leia mais aqui.

Novo! Receba Grátis a Newsletter
O Segredo das Criptomoedas

Última atualização por Leandro França de Mello - 09/10/2019 - 17:04