Últimas Notícias Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Quer se posicionar no varejo? Goldman Sachs atualiza estimativas para setor

Valter Outeiro da Silveira - 26/03/2019 - 15:05
Banco analisa sete empresas varejistas (Pixabay)

A equipe de Equity Research do Goldman Sachs divulgou relatório sobre o setor varejista, atualizando as estimativas para sete empresas do setor: com base nas tendências recentes, e nas presunções macroeconômicas.

As projeções das seguintes empresas foram atualizadas: Lojas Renner (LREN3), Pão de Açúcar (PCAR4), Carrefour (CRFB3), Hypera (HYPE3), Raia Drogasil (RADL3), Hering (HGTX3) e Via Varejo (VVAR11).

“Nossas estimativas para a Lojas Renner (LREN3) estão virtualmente sem alterações”, afirmam os analistas, destacando a incorporação de resultados “melhores do que o esperado no quarto trimestre”.

Veja outras recomendações de investimentos

Neste panorama, o Goldman Sachs aumentou em 3% suas projeções de receita líquida no triênio de 2019 a 2021, com permanência das estimativas em relação ao Ebitda ajustado e ao lucro líquido.

A equipe de análise elevou o preço-alvo para as ações, de R$ 52,00 para R$ 53,00. Os papeis possuem recomendação de compra e P/L (Preço sobre Lucro) de 28,5 vezes para 12 meses.

Os riscos para a tese de investimento, segundo o Goldman Sachs, são os seguintes: avanço menor do que o esperado para as vendas do segmento “mesmas lojas” (unidades abertas há pelo menos um ano); problemas de execução no omni-channel e riscos do segmento financeiro da companhia.

Pão de Açúcar, Carrefour e Hypera

Em linha, o banco listou recomendação de compra para as ações do Pão de Açúcar (PCAR4), com elevação do preço-alvo para as ações da companhia de R$ 109,00 para R$ R$ 112,00.

Conforme o Goldman Sachs, alguns riscos existem para a companhia, como choques de inflação do setor alimentício, aumento da competição, riscos a estratégia de implementação de promoções nos hipermercados, mudanças organizacionais pelo acúmulo de funções do CEO Peter Estermann como principal executivo da Via Varejo (VVAR11) e dificuldades para venda da participação de 39,4% na companhia varejista de São Caetano do Sul.

As estimativas para o Carrefour (CRFB3) ficaram inalteradas, incorporando os resultados que vieram em linha para a rede varejista. Houve pequena alteração no preço-alvo, de R$ 20,00 para R$ 21,20. A recomendação para as ações são neutra.

Tenha o MELHOR E MAIS EXPERIENTE TRADER DO BRASIL como o SEU ASSESSOR [CLIQUE AQUI]

Existe fatores de elevação das estimativas, como inflação superior dos alimentos, elevando as vendas do Atacadão e levando a maior alavancagem e melhora maior que a esperada no canal multivarejo. Em contrapartida, a maior competição no setor pode ser um risco.

Em relação a Hypera (HYPE3), os papéis tiveram preço-alvo elevado, de R$ 29,20 para R$ 34,00 – com recomendação neutra. A tese de investimento detém os seguintes receios: pressão no crescimento das vendas e nas margens; riscos referentes aos benefícios fiscais e riscos regulatórios que podem impactar produtos e novos lançamentos.

Raia Drogasil, Hering e Via Varejo

Já as ações da Raia Drogasil (RADL3) tiveram seu preço-alvo levemente elevado, de R$ 68,00 para R$ 69,00 – tendo mantida a recomendação neutra para os papeis. Existem alguns riscos para a companhia, como pressão contínua de preços dos medicamentos genéricos, aumento da competição no setor e pressão inflacionária.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Os papeis da Hering (HGTX3) detém recomendação neutra, com preço-alvo de R$ 28,90 para 12 meses. O preço-alvo anterior para as ações era de R$ 27,50. Possíveis drivers para as ações são os seguintes: turnaround bem sucedido das vendas de “mesmas lojas” da companhia e ganhos na margem com menores custos de publicidade.

Entrevista com Apex Capital: fundamentalista, verdadeira e transparente

Encerrando a lista das varejistas, as ações da Via Varejo (VVAR11) possuem recomendação de venda e tiveram seu preço-alvo reduzido, de R$ 5,10 para R$ 4,50. Alguns fatores podem elevar o preço da ação, como a venda pelo controlador Pão de Açúcar de parte da companhia e melhora na execução operacional.

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você
Recomendados para você
Exclusivo: Método de Luiz Barsi é revelado em curso inédito