Últimas Notícias Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Exclusivo: Como a Motley Fool venceu os “haters” do status quo financeiro nos EUA

-
“É uma pena que alguns prefiram restringir os mercados a um grupo de elite, em vez de tomar medidas para abrir os mercados ao público em geral”

Sabe essa discussão no Brasil sobre a linguagem utilizada para atrair os investidores pessoas físicas para o mercado financeiro, como o caso Bettina? Há quase 30 anos, nos EUA, a Motley Fool – referência na publicação de ideias de investimentos, também precisou enfrentar os “haters” do status quo.

Fundada em 1993 pelos irmãos Tom e David Garner, a empresa passou a se dedicar a ajudar o público investidor. E, para isso, ajustou a linguagem para as pessoas comuns, fugindo do texto institucional. “Em tudo o que fazemos, adotamos uma abordagem diferente”, aponta o próprio site da empresa.

Exclusivo: CVM não pode ser “xerife” do que está fora do mercado, diz Modesto Carvalhosa

Observando o logotipo da empresa, que representa um chapéu de um bobo da corte, é fácil ver que eles levam este lema à risca. Para jogar mais luz sobre como o Brasil quer se preparar para trazer mais investidores ao mercado, o Money Times entrevistou David Kretzmann, chefe das operações da Fool na Ásia.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Para ele, a linguagem simples é mais eficaz para alcançar um público mais amplo, e esse é um foco principal para o The Motley Fool à medida que continua a crescer em todo o mundo. “É uma pena que alguns prefiram restringir os mercados a um grupo de elite, em vez de tomar medidas para abrir os mercados ao público em geral”, diz.

Sobre as atividades do regulador do mercado, que no Brasil estão avançando para controlar o que a mídia escreve, Kretzmann entende que isto pode ser danoso. “Eu pessoalmente vejo isso como um passo longe demais. Eliminar alguns atores não vale o preço de uma regulamentação onerosa que limita a variedade de análises e opiniões sobre os mercados”, ressalta.

Veja, a seguir, a entrevista completa:

“A capacidade de entender e investir nos mercados de capitais é a chave que pode desbloquear a geração de riqueza geracional” (Imagem: Linkedin)

Quando você começou sua carreira, as pessoas eram contra o estilo do Motley Fool de falar sobre mercados?

O Motley Fool foi contra a corrente do mercado financeiro ao longo dos seus 25 anos de história. A persistente mensagem do Fool de comprar e manter investimentos a longo prazo é única no mundo da mídia financeira, que muitas vezes coloca um microscópio nos inevitáveis ​​temores de curto prazo e na volatilidade que vêm com o mercado de ações.

A maior parte da “oposição” ao Fool tende a vir do status quo. Por exemplo, na década de 1990, os investidores individuais geralmente eram excluídos de ouvir as teleconferências trimestrais de uma empresa.

O tratamento preferencial foi dado aos investidores institucionais, enquanto os investidores individuais não foram tratados como proprietários. Graças, em parte, à defesa e pressão do The Motley Fool, hoje as teleconferências da empresa nos EUA são facilmente acessíveis a todos os investidores.

Em sua opinião, qual é a importância da linguagem para trazer o assunto dos mercados de capitais para as pessoas comuns?

Os mercados de capitais não precisam ser complexos. Na verdade, muitos das maiores apostas de longo prazo no mercado de ações são as empresas por trás dos produtos e serviços usados ​​regularmente por milhões (até bilhões) de pessoas em todo o mundo. Pense na Netflix, no MercadoLivre, na Amazon.com, no McDonald’s, no Facebook e na Starbucks, só para citar alguns. Vale a pena prestar atenção ao mundo ao seu redor.

O Motley Fool visa tornar os mercados acessíveis às pessoas comuns. Ajudar as pessoas a entender os mercados é o primeiro passo, mas comunicar a mentalidade correta para ter sucesso nos mercados também é fundamental: ter paciência, superar a inevitável volatilidade de curto prazo dos mercados, diversificar seus investimentos e focar no longo prazo.

A linguagem mais simples é mais eficaz para alcançar um público mais amplo, e esse é um foco principal para o The Motley Fool à medida que continuamos a crescer em todo o mundo.

O regulador deve controlar quem escreve análises?

Eu pessoalmente vejo isso como um passo longe demais. Eliminar alguns atores não vale o preço de uma regulamentação onerosa que limita a variedade de análises e opiniões sobre os mercados.

No entanto, transparência e responsabilidade são extremamente importantes. Aqui no The Motley Fool, rastreamos o desempenho de todas as nossas escolhas de ações – boas e ruins – dentro dos nossos serviços de recomendação de ações por assinatura em todo o mundo. Esse desempenho está disponível para todos os nossos membros verem.

Qualquer pessoa que faça previsões sobre ações ou outros veículos de investimento não deve ter vergonha de compartilhar seu histórico. Ninguém estará certo em 100% do tempo – nem mesmo os maiores investidores do mundo -, mas os comentaristas de mercado e os investidores públicos devem compartilhar com prazer seu histórico geral.

Você acha que uma linguagem mais simples é uma maneira eficaz de trazer mais pessoas ao mercado?

É uma pena que alguns prefiram restringir os mercados a um grupo de elite, em vez de tomar medidas para abrir os mercados ao público em geral.

Comecei a investir quando tinha 12 anos. Warren Buffett começou quando ele tinha 11 anos de idade. Os co-fundadores do Motley Fool, David e Tom Gardner, começaram a investir quando eram crianças. Investir não precisa ser difícil. Na verdade, deve ser simples e fácil de entender. Simplicidade é algo para o qual a mídia financeira e os participantes do mercado devem se esforçar continuamente.

Achamos que o mundo se torna um lugar melhor quando mais pessoas pensam como proprietários, não apenas como consumidores. Poucos investimentos se comparam aos retornos de longo prazo gerados por numerosos mercados de ações em todo o mundo, que historicamente produziram retornos anualizados de 8% ou mais em um período de décadas.

Por que esta oportunidade deve ser excluída do público em geral?

A capacidade de entender e investir nos mercados de capitais é a chave que pode desbloquear a geração de riqueza geracional. Os mercados de capitais devem ser compreensíveis e acessíveis às pessoas comuns.

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você