Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Credit Suisse inicia cobertura da JBS com recomendação máxima: “Campeã no setor”

Valter Outeiro da Silveira - 08/10/2019 - 9:23
jbs
Analistas projetam potencial de valorização de 28,7% para ação em doze meses (Imagem: Reuters/Ueslei Marcelino)

O Credit Suisse iniciou a cobertura das ações da JBS (JBSS3) com recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado) e preço-alvo de R$ 40,00 para doze meses, igual a um upside (potencial de valorização) de 28,7%, conforme o último fechamento.

No cenário mais otimista dos analistas Victor Saragiotto e Felipe Vieira, o papel pode chegar a R$ 49,00. Caso as estimativas se materializem, a ação da empresa “campeã do segmento” poderá disparar 57,6% – segundo a cotação da última segunda-feira (7).

“Acreditamos que a companhia deverá continuar a mostrar lucros operacionais fortes, que levarão a um aprimoramento da posição de caixa”, avalia o banco suíço. “Adicionalmente, a empresa poderá acelerar seu crescimento inorgânico”, completam os analistas, ressaltando ainda o possível IPO (Oferta Inicial de Ações) da JBS nos EUA como motivo de otimismo.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

Resultados fortes

A despeito dos efeitos resultantes da gripe suína africana, a JBS deverá manter resultados consolidados fortes, na avaliação do Credit Suisse, projetando incremento nas margens das operações tanto no Brasil quanto nos EUA.

Neste contexto, os analistas ponderam que a desvalorização do real, em conjunto com fortes volumes de exportações, deve aprimorar as margens operacionais da Seara.

Ebitda e riscos

De acordo com o banco, a expansão do Ebitda (geração operacional de caixa) deverá ser de 14% na base anual durante 2020, indo para R$ 21,3 bilhões.

Por fim, os riscos inerentes à tese de investimento são os seguintes: retorno mais rápido da normalização na produção de carnes de porco na China; alta nos preços dos grãos, elevando o custo da matéria-prima; desaceleração na demanda de proteína dos EUA; problemas de governança corporativa; intensificação da guerra comercial e riscos sanitários.

Última atualização por Diana Cheng - 08/10/2019 - 12:10