Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Condomínio sobe 0,25% em março em SP e acumula 5,36% em 12 meses, diz Secovi

Arena do Pavini - 10/05/2019 - 14:50
imóveis
(Imagem: Money Times)

Por Arena do Pavini

Os custos condominiais registraram em março ligeira alta de 0,25% na Região Metropolitana de São Paulo, conforme o Departamento de Economia e Estatística do Sindicato da Habitação (Secovi-SP). A variação acumulada em 12 meses encerrados em março foi de 5,36%, percentual abaixo do Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) da Fundação Getúlio Vargas, que apresentou variação de 8,27% no mesmo período.

Exclusivo: O segredo para ganhar com Petrobras em qualquer cenário

Quer concorrer a R$ 300? Responda esta pesquisa sobre investimentos em 2 minutos

Confira no gráfico abaixo a variação do condomínio em 12 meses versus a inflação do IGP-M feito pelo Secovi-SP:

Os itens Manutenção e Equipamentos e Diversos subiram 1,26% no mês e 8,28% no acumulado de 12 meses. As despesas com Conservação e Limpeza tiveram variação mensal de 1,10% e de 7,88% no acumulado. Os itens Pessoal e Encargos e Tarifas permaneceram estáveis no mês e, no acumulado, subiram 4,33% e 5,78%, respectivamente.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP, Hubert Gebara, lembra que o Icon serve como parâmetro das variações dos custos dos condomínios residenciais. “O Icon não deve ser utilizado como um índice de reajuste da taxa condominial, pois cada condomínio possui características e estrutura de despesas próprias”, diz Gebara, recomendando que o síndico consulte sua administradora e verifique qual foi o aumento real  dos custos do condomínio, a fim de que, no futuro, não ocorra um desequilíbrio nas contas.

Última atualização por Diana Cheng - 10/05/2019 - 14:43