Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

B3 cai mais de 1% depois de ver lucro avançar para R$ 51 milhões no 3º trimestre

Investing.com Brasil - 08/11/2019 - 10:50
B3
As ações da B3 operam em queda nessa sexta-feira (Imagem: Alberto Ruy/MInfra)

Por Investing.com

Em dia negativo para o mercado brasileiro, as ações da B3 (B3SA3) são negociadas com queda nesta sexta-feira. Na noite de ontem, a companhia informou que teve forte alta no lucro do terceiro trimestre, refletindo o robusto aumento das receitas nos mercados de renda fixa e variável no período.

A operadora brasileira de infraestrutura de mercado anunciou que teve lucro recorrente de R$ 851 milhões no período, alta de 38,7% ante mesma etapa de 2018, mas pouco abaixo da previsão média de analistas compilada pela Refinitiv, de R$ 873,9 milhões. Em termos líquidos, o lucro foi de R$ 719,6 milhões, valor 54,6% maior do que um ano antes.

Com isso, por volta das 10h36, as ações eram negociadas com queda de 1,60% a R$ 48,61.

A receita líquida da companhia entre julho e setembro somou R$ 1,7 bilhão, incremento de 34,1% ano a ano, fortalecida sobretudo pelo 73% no segmento de ações e instrumentos de renda variável. Só com ofertas de ações, as receitas subiram 1045.

Assim, o resultado operacional da B3 medido pelo lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) recorrente subiu 42,3%, para 1,11 bilhão de reais. A margem Ebitda subiu 5,1 pontos percentuais, para 72,5%.

Na visão da Mirae Asset, o resultado ficou em linha com a expectativa. Nos próximos trimestres, com a recuperação da economia, os números da empresa e as margens devem continuar crescendo, se beneficiando do ambiente de juros baixos, impactando em maiores volumes negociados na B3.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Já para o Morgan Stanley (MS), a companhia teve resultados fortes, ficando acima do esperavam seus analistas, destacando que a margem EBITDA melhorou sequencialmente, pois as despesas permaneceram sob controle, acrescentaram.

“As receitas financeiras caíram acentuadamente, mas o impacto foi compensado com uma estrutura de hedge que reduziu impostos. Do lado negativo, as receitas da Cetip Securities e da infraestrutura da Cetip para financiamento permaneceram sob pressão”, informou o documento enviado pelo banco a base de clientes.

Última atualização por Rafael Borges - 08/11/2019 - 10:50