Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

A hora e a vez dos fundos imobiliários: XP divulga carteira recomendada de dezembro

03/12/2019 - 14:41
São Paulo Imóveis
Corretora seleciona melhores oportunidades de investimento (Imagem: Pixabay)

De olho na diversificação do investidor, a XP Investimentos publicou sua carteira recomendada de FIIs (Fundos de Investimento Imobiliários) para dezembro.

A modalidade se destaca pela não incidência de Imposto de Renda à pessoa física, por permitir exposição ao setor imobiliário sem aquisição física de um bem e pela terceirização da gestão através de um profissional especializado.

“Mantemos a nossa visão positiva para os fundos imobiliários, que se mantém atrativos quando comparados aos juros locais mesmo após sua forte performance recente”, afirma o analista Renan Manda.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

Recordes e perspectivas

A corretora ressalta os números recordes da indústria de fundos imobiliários, apresentando R$ 75,5 bilhões em valor de mercado e volume de negociação na casa dos R$ 4 bilhões durante o mês de outubro.

O crescimento de 10,19% no número de investidores na base mensal de comparação diante do volume de setembro também é apontada por Manda como indicativo da “atratividade e o crescente interesse nesse produto”.

A tendência de queda da taxa básica de juro para patamar próximo a 4,25% no próximo ano na avaliação da XP Investimentos e a melhora nas projeções do PIB dentro do relatório Focus se mostram como pilares para pavimentar o caminho positivo inerente aos fundos imobiliários.

Lajes corporativas predominam

Ao contrário do Santander, com maior foco no setor logístico, a equipe de análise da corretora optou por maior exposição ao segmento de “Lajes Corporativas”, “especificamente em ativos de alto padrão e localizados em regiões premium na cidade de São Paulo”.

Em segundo lugar, assim como o banco, a preferência é pela exposição ao setor logístico, pela “visão mais positiva em relação ao crescimento desse segmento, que encontra demanda crescente por ativos AAA próximo a regiões metropolitanas”.

XP Investimentos
Modalidade apresenta crescimento no número de investidores (Imagem: Youtube da XP Investimentos)

Mudanças

A XP Investimentos retirou em dezembro os ativos Mogno FoF (MGFF11) e CSHG Recebíveis Imobiliários (HGCR11). A primeira saída deve-se ao “prêmio expressivo de 28% sobre o seu valor patrimonial”. Por sua vez, a segunda ocorre pela avaliação de que o fundo é negociado a “um prêmio de 16% sobre seu valor patrimonial”.

Em substituição, há a entrada de RBR Alpha Fundo de Fundos (RBRF11) e Valora RE III (VGIR11).

“Acreditamos que o RBRF tem potencial para continuar entregando rentabilidades atrativas, em linha com o seu dividend yield reportado nos últimos meses. Adicionalmente, vemos o FII negociando a 6% de prêmio sobre seu valor patrimonial”, afirma Manda.

A inclusão do Valora RE III ocorre pelos “atrativos spreads do seu portfólio suportando uma boa rentabilidade para o FII nos preços atuais”, além do “leve prêmio de 5% sobre o seu valor patrimonial”.

Por fim, além das substituições, a XP Investimentos redistribuiu os pesos dos FIIs de “Lajes Corporativas”, reduzindo o peso do The One (ONEF11) e elevando a parcela de Rio Bravo Renda Corporativa (RCRB11) e Pátria Edifícios Corporativos (PATC11). Ambos os ativos contam com participação de 12,5%.

Confira abaixo carteira recomendada de dezembro:

CódigoNomeSegmentoPesoCota em 02/12/2019 (R$)Yield estimado 12 meses
RBRF11RBR Alpha Fundo de FundosFundo de Fundos5%113,309%
VGIR11Valora RE IIIRecebíveis10%105,009%
CPTS11BCapitania SecuritiesRecebíveis10%108,909,30%
SDIL11SDI Logística RioLogística12,5%112,506,50%
XPIN11XP IndustrialLogística12,5%134,506,50%
XPML11XP MallsShoppings10%122,815,90%
VISC11Vinci Shopping CentersShoppings10%135,895,70%
PATC11Pátria Edifícios CorporativosLajes Corporativas12,5%113,99
RCRB11Rio Bravo Renda CorporativaLajes Corporativas12,5%2023,50%
ONEF11The OneLajes Corporativas5%169,84,70%

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 03/12/2019 - 14:41