Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Zona do Euro precisa de estímulo fiscal preventivo ou pode enfrentar baixo crescimento

Reuters - 07/10/2019 - 13:04
Euro Europa União Europeia
Zona do Euro precisa de estímulo fiscal preventivo de países ricos em dinheiro, como Alemanha e Holanda (Imagem: Reuters/Dado Ruvic)

A economia em desaceleração da zona do euro precisa de estímulo fiscal preventivo de países ricos em dinheiro, como Alemanha e Holanda, ou enfrentará um longo período de crescimento baixo, informará a Comissão Europeia aos ministros da zona do euro na próxima semana.

Em um documento de discussão preparado para a próxima reunião de ministros das Finanças dos 19 países do bloco monetário, em Luxemburgo, na quarta-feira, o braço executivo da União Europeia disse que a atividade econômica da zona do euro não vai se recuperar este ano.

O documento, visto pela Reuters, reproduz as palavras ditas em setembro pelo atual presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, que pediu aos governos que ajudem os esforços da política monetária, estimulando o crescimento com a política fiscal.

“O crescimento mais lento e os riscos negativos inerentes à situação atual podem exigir uma abordagem preventiva, e não reativa, da política fiscal”, afirmou a Comissão Europeia.

O documento acrescentou que os governos devem agir agora, porque leva tempo para que as mudanças nas políticas fiscais tenham impacto na economia.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A Comissão dirigiu seu apelo principalmente à Alemanha e à Holanda, geralmente chamados de “países com espaço fiscal”, porque eles têm superávits orçamentários há anos.

No entanto, a chanceler alemã, Angela Merkel, embora tenha reconhecido no mês passado que os governos devem agir para não sobrecarregar o BCE, também resistiu aos apelos para elaborar um pacote de estímulo fiscal para seu país, mesmo que a maior economia da Europa esteja à beira de uma recessão.

O documento mostra ainda que, para estimular o crescimento, uma maior flexibilização da política monetária do BCE seria menos eficaz e teria maiores efeitos colaterais indesejados do que o estímulo fiscal dos governos, que agora seriam mais eficazes do que nos tempos econômicos normais.

Última atualização por Lucas Simões - 07/10/2019 - 13:05