Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Volumes financeiros dos segmentos Private e Alta Renda sobem mais de 11% em 2018

Diana Cheng - 11/02/2019 - 17:19

Os segmentos private e varejo, sem considerar os recursos destinados à previdência, tiveram em dezembro de 2018 um aumento de 9% em relação a 2017, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (11) pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).

Grafico_1_201902.png

Foram R$ 2,8 trilhões de recursos alocados, sendo o varejo alta renda o segmento de maior destaque no ano, com crescimento de 12% e estoque de R$ 872 bilhões. O private com variação registrou alta de 11% e R$ 966,2 bilhões, enquanto o varejo tradicional subiu 5%, encerrando 2018 com R$ 958,7 bilhões.

Continua depois da publicidade

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

A composição dos fundos de investimento representou 40% dos ativos, tendo de volume alocado com fundos de ações R$ 82,9 bilhões, alta de 57% frente a 2017. Títulos de renda fixa e poupança ficaram cada uma com 26% da carteira, com destaque para as debêntures, que fecharam com R$ 31,1 bilhões – alta de 20%.

Grafico_2_201902.png

Varejo tradicional

Continua depois da publicidade

A poupança se mostrou como a principal fonte de investimento no segmento varejo tradicional, compondo 65% da carteira. Os fundos de investimento, por outro lado, tiveram a maior variação de estoque – 10%.

Varejo alta renda

No segmento varejo alta renda, os fundos de investimento apresentaram uma parcela de 49% da carteira e captaram 45% do total do segmento, fechando o ano em alta de 11,1%. 53% de todos os novos investimentos em fundos foram para os de multimercados, somando R$ 22,6 bilhões.

Private

Continua depois da publicidade

Considerando os recursos destinados à previdência, o segmento fechou o ano com R$ 1,1 trilhão, 12% a mais em comparação com o ano anterior. Os fundos de investimento representaram 48% dos ativos, seguidos pelos títulos de renda fixa, com 27% de participação. Os recursos alocados em previdência foram os que mais variaram, crescendo 19% em 2018.

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 11/02/2019 - 17:19