Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Vendas de smartphones e feature phones caem 6,8% em 2018, segundo pesquisa

Diana Cheng - 22/04/2019 - 19:39
Dos 46,9 milhões de produtos vendidos, 44,4 milhões foram de smartphones e 2,5 milhões de feature phones (Imagem: Pixabay)

O estudo IDC Brazil Mobile Phone Tracker Q4/2018, realizado pela IDC Brasil, revelou que as vendas de celulares caíram 6,8% em 2018 frente ao resultado demonstrado em 2017. Dos 46,9 milhões de produtos vendidos, 44,4 milhões foram de smartphones e 2,5 milhões de feature phones.

“Passamos por três momentos que refletiram negativamente no mercado: a greve dos caminhoneiros, as eleições e a alta flutuação do dólar”, explica Renato Meireles, analista de mercado em Mobile Phones & Devices da IDC Brasil. “O índice de confiança dos investidores diminuiu e, no decorrer do ano, a discussão de temas políticos e socioeconômicos, como a reforma da Previdência e a eleição presidencial, afetaram praticamente todo o setor de tecnologia”.

Ainda segundo o analista, a carência de novidade no setor, principalmente quanto ao design, também influenciou no resultado do índice.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Receita

Diferentemente do resultado das vendas, a receita em 2018, de R$ 58,1 bilhões, subiu 6% em relação ao ano anterior.
Do total de smartphones vendidos, 39,8% deles custavam entre R$ 700 e R$ 1.099 e 35,6% ficaram entre R$ 1.100 e R$ 1.999. As faixas de preço tiveram, respectivamente, baixa de 25,8% e alta de 73,1% ante os resultados de 2017.

O ticket médio apresentou crescimento de 13,8% e passou de R$ 1.149 em 2017 para R$ 1.307 no ano passado.

Projeções para 2019

O setor espera que as vendas de smartphones caiam 4,3% neste ano, fechando em 42,5 milhões de unidades. O número de feature phones também deve cair, chegando a 2,4 milhões de unidades vendidas, queda de 6,3%.

Meireles prevê que o primeiro e o segundo trimestre sejam mais fracos devido à Lei do Bem. “Sem esse incentivo para as fabricantes, o varejo acaba repassando o aumento ao consumidor e isso fará o mercado retrair”, diz o analista. No terceiro e quarto trimestre, a situação deve melhorar com a discussão da reforma da Previdência, o que influencia diretamente na confiança do consumidor.

O analista também projeta que as faixas de preço dos smartphones, de R$ 700 a R$ 1.099 e R$ 1.100 a R$ 1.999, ficarão mais competitivas. Os feature phones permanecerão com ofertas de alguns fabricantes.

Última atualização por Diana Cheng - 22/04/2019 - 19:48