Últimas Notícias Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Veja os 5 eventos mais importantes do mercado global para esta semana

Investing.com Brasil - 24/03/2019 - 18:00

Por Investing.com

Após uma série de relatórios econômicos abaixo do esperado, a leitura final do crescimento no quarto trimestre nos EUA será o principal evento para os mercados financeiros na próxima semana, enquanto os investidores aguardam novos sinais sobre a força da economia.

Além do relatório do PIB, o calendário da semana também traz um relatório sobre a inflação dos gastos de consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês) – a métrica preferida do Federal Reserve para a inflação.

Os agentes do mercado também estarão muito atentos a comentários feitos por integrantes do Fed em discursos nesta semana, em busca de indícios sobre a perspectiva de política monetária nos próximos meses. O Fed, na semana passada, praticamente desistiu de elevar as taxas de juros novamente este ano – uma oscilação que poderia sinalizar o fim de seu ciclo de aperto monetário de três anos.

Algo parecido com o que aconteceu no último ciclo de alta da Bolsa está prestes a se repetir. Veja como é possível ganhar ate +2.691% com estes ativos

Os investidores também estão observando as notícias sobre o desenvolvimento do mercado de títulos americano, onde o spread entre as letras do Tesouro de três meses e as notas de 10 anos se inverteu pela primeira vez desde 2007. A curva de rendimento invertido é amplamente entendida como um indicador principal de recessão.

Enquanto isso, negociações comerciais entre Estados Unidos e China também manterão investidores em alerta nesta semana, já que Steven Mnuchin, secretário do Tesouro dos EUA, e outros membros da administração Trump estão a caminho de Pequim. Existem também manchetes Brexit para monitorar.

Descubra como ganhar dinheiro com ações

Antes da próxima semana, o Investing.com compilou uma lista dos cinco maiores eventos do calendário econômico com maior probabilidade de afetar os mercados.

1. PIB dos EUA no 4º tri – estimativa final

Os relatórios econômicos americanos permanecerão em foco, especialmente após um lote recente de dados decepcionantes mostrando que tanto os consumidores quanto as empresas recuaram.

O Departamento de Comércio dos EUA deverá divulgar os números revistos sobre o crescimento econômico do quarto trimestre às 9h30 (horário de Brasília) da quinta-feira.

Espera-se que os dados mostrem que a economia tenha crescido em taxa anual de 2,4% nos três últimos meses de 2018, revisada para baixo de uma estimativa preliminar de 2,6%. O crescimento foi de 3,4% no terceiro trimestre do ano passado.

A economia está perdendo velocidade à medida que o estímulo de um pacote de corte de impostos de US$ 1,5 trilhão e o aumento dos gastos do governo diminuem. Uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, abrandando o crescimento global e a incerteza quanto à saída da Grã-Bretanha da União Europeia, está obscurecendo as perspectivas.

2. Dados da inflação de despesas de consumo pessoal dos EUA

O Departamento de Comércio dos EUA divulgará dados sobre renda pessoal e despesas pessoais em janeiro, que incluem os dados da inflação das despesas de consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês), a métrica preferida do Fed para inflação, às 09h30 da próxima sexta-feira.

O consenso das projeções indica que o relatório mostrará que o núcleo do índice de preços PCE subiu 0,2%, depois de subir a um ritmo semelhante um mês antes. Em base anual, espera-se que o núcleo dos preços PCE tenha subido 1,9%.

O Fed utiliza o núcleo PCE como ferramenta para ajudar a determinar se eleva ou abaixa as taxas de juros com o intuito de manter a inflação na taxa de 2% ou abaixo disso.

Outros dados econômicos de grande importância que devem ser divulgados nesta semana incluem o relatório CB de confiança do consumidor, bem como dados mais recentes sobre licenças de construção e o número de casas novas.

3. Discursos de membros do Fed

Alguns discursos de membros do Fed chamarão a atenção do mercado nesta semana, já que investidores buscam mais indicações sobre a política monetária.

O presidente do Fed de Chicago, Charles Evans, o presidente do Fed de Filadélfia, Patrick Harker, e o presidente do Federal Reserve Bank de Boston, Eric Rosengren, estão prontos para fazer seus discursos na segunda-feira.

Evans e Harker estão na agenda novamente na terça-feira, assim como Mary Daly, do Federal Reserve de São Francisco .

Na quarta-feira, a presidente do Federal Reserve Bank de Kansas City, Esther George, fez comentários em um evento organizado pela Money Marketeers, da Universidade de Nova York.

O vice-presidente do Fed, Richard Clarida, o governador do Fed, Randal Quarles, a governadora do Fed, Michelle Bowman, e o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, estão todos na quinta-feira.

Quarles estará em destaque de novo na sexta-feira.

Os membros do Fed na semana passada sugeriram que nenhum aumento de taxa virá este ano – depois de indicar em dezembro que duas poderiam acontecer. O banco central também indicou que pretende encerrar a redução de seu enorme balanço de US$ 4,2 trilhões até setembro.

4. Negociações comerciais entre EUA e China

Os Estados Unidos e a China devem retomar as negociações comerciais de alto nível nesta semana, mas não está claro se os dois lados podem diminuir suas diferenças e encerrar a guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo.

O secretário de comércio Robert Lighthizer, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, viajarão a Pequim para a última rodada de negociações comerciais de alto nível marcadas para começar na quinta-feira.

O presidente Donald Trump disse na sexta-feira que as negociações destinadas a resolver uma disputa comercial de oito meses entre as duas maiores economias do mundo estão progredindo e um acordo final parece provável.

No entanto, autoridades minimizaram a perspectiva de uma conclusão rápida, uma vez que a China não está cedendo às exigências para que as empresas de tecnologia reduzam as restrições, segundo informou neste domingo o Financial Times, citando três pessoas informadas sobre as discussões.

A reportagem do FT disse que Pequim ainda não ofereceu “concessões significativas” para as reinvidicações de que a China pare de discriminar fornecedores estrangeiros de computação em nuvem, reduza os limites de transferências de dados para o exterior e reduza a exigência de que as empresas armazenem dados localmente.

5. Incerteza do Brexit

O risco de uma saída sem acordo da Grã-Bretanha da União Europeia em 29 de março foi evitado pelo adiamento concedido à primeira-ministra Theresa May por outros líderes da UE na semana passada.

Mas a possibilidade pode voltar rapidamente em 12 de abril. Ou o atraso pode se estender até maio ou além, dependendo da capacidade da primeira-ministra de romper o impasse Brexit no parlamento.

Após três anos de debates tortuosos, ainda é incerto como, quando ou mesmo se o Brexit vai acontecer.

Maio sugeriu na sexta-feira que ela não poderia levar seu acordo de divórcio da UE, derrotado duas vezes, de volta ao parlamento nesta semana, deixando sua estratégia Brexit em colapso. The Times e The Daily Telegraph relataram que a pressão estava aumentando para que May renuncie.

Leia mais sobre: Economia, Internacional, Mercados
Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você
Recomendados para você
Exclusivo: Método de Luiz Barsi é revelado em curso inédito