Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Tentativa de maior pressão dos frigoríficos esbarra na pouca oferta de boi

Giovanni Lorenzon - 03/07/2019 - 18:01
Indústrias têm folga de abates, mas cenário de oferta segura queda maior do preço do boi (Crédito: Gabriel Jabur/Agência Brasília)

Depois que a @ do boi perdeu de R$ 2,00 a R$ 2,50, na média paulista, da semana passada para esta, com as indústrias frigoríficas alongando suas escalas de abate, elas agora tentam jogar pressão com o frio que deve chegar a partir de amanhã no Sudeste e partes do Centro-Oeste. Mas já não tem tanto animal disponível porque os pastos já derreteram em São Paulo e estão derretendo em pedaços do Mato Grosso do Sul, Minas, Goiás e Mato Grosso.

E também os bois de confinamento não estão totalmente prontos em grande volume. A participação no abate ainda é lento

Com isso, mostra Douglas Coelho, sócio da Radar Investimentos, a queda da cotação no balcão perdeu ritmo, se não ficou mais lateralizada. Manteve nesta quarta (3) os R$ 154,00 à vista e os R$ 157,00 no prazo.

Na Agrifatto, o registro se assemelhou à Radar: R$ 154,30 e R$ 156,70, mantido os mesmos índices da terça.

A Scot Consultoria, também para São Paulo, foi outra que registrou estabilidade, R$ 155,50 e R$ 157,50.

Se não há pressa dos frigoríficos em comprarem – tem indústrias com operações fechadas para até 15/16 de julho -, também a oferta é menor e, quando há, está nas mãos dos confinadores e semiconfinadores, com margem de manobra maior para venderem pois conseguem manter os animais mais tempo.

É o exemplo de Francisco Brandão, vice-presidente do Sindicato Rural da Alta Noroeste (Siran). Ele embarca lote dia 9, em Araçatuba, a R$ 157 peso vivo, à vista.

Bom negócio o produtor também fez hoje no Mato Grosso do Sul. Enquanto a média das análises vai de R$ 140,00 em Três Lagoas a R$ 142 em Dourados, dando uma média mais geral para o estado, contando ainda com outras regiões, de R$ 142,80 (Agrifatto), Brandão embarca amanhã a R$ 145,00.

Coxim/MS

Mais para o Noroeste do MS, nas portas do Pantanal, a situação fica mais complicada. Jr. Sidoni, de Coxim, diz que “só agüenta mais 30 dias antes de bambear” (vender pela oferta de balcão), pois os pastos estão ficando piores e a desmana está entrando.

E bezerros chegando significa que pastos vão ter que ser liberados, isto é, tem que tirar os animais mais pesados.

Hoje ele viu preços a R$ 142,00, R$ 130,00 vaca e R$ 133,00 novilha.

Última atualização por Giovanni Lorenzon - 03/07/2019 - 18:01