Últimas Notícias Tesouro Direto Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Cripto
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Temer abre setor aéreo ao capital estrangeiro em MP combinada com Guedes

Equipe Money Times - 13/12/2018 - 15:59

O presidente Michel Temer assinou hoje (13) medida provisória (MP) que autoriza as empresas de aviação nacionais a terem participação ilimitada de capital estrangeiro. Com isso, deixa de existir o limite de 20% de capital estrangeiro nas aéreas nacionais. A partir de agora, uma empresa brasileira do setor poderá ter 100% de capital estrangeiro. A MP será publicada ainda hoje, em edição extra do Diário Oficial da União. A informação foi antecipada mais cedo em reportagem publicada no site do jornal Valor Econômico.

A legislação atual permite a participação estrangeira em até 20% no capital social de uma aérea. O jornal também informa que a edição da MP foi combinada com Paulo Guedes, futuro ministro da Economia do governo eleito de Jair Bolsonaro.

“Isto resolve um dos principais problemas da aviação brasileira, que é a fonte de financiamento para as companhias de aviação. Com isso, temos a oportunidade de ter a participação do capital estrangeiro no financiamento, independentemente de sua origem”, disse o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, ao anunciar a medida.

Continua depois da publicidade

O governo Temer tentou ao longo de 2018 aprovar no Congresso Nacional projeto de lei, enviado no ano passado, para ampliar a entrada de capital estrangeiro nas companhias aéreas. A medida, vista com bons olhos pelo mercado, acabou sendo escanteada pelos parlamentares e saiu da pauta de votações.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Caso Avianca

A medida assinada pelo presidente poderá ajudar a retomada da Avianca, que mexeu com o setor nesta semana ao entrar com pedido de recuperação judicial. A companhia poderá receber aporte de um grande investidor externo para se recapitalizar e pagar os credores. Segundo o Valor Econômico, a americana United já havia feito uma parceria com a Avianca Holdings na Colômbia.

A aérea fez, na terça-feira (11), o pedido na 1ª Vara Empresarial de São Paulo para se proteger de ações pedindo a retomada de aeronaves arrendadas por falta de pagamento. A dívida com todos os aeroportos brasileiros, públicos e privados, chega a quase R$ 100 milhões, sendo só com o de Guarulhos é de R$ 25 milhões. Nos últimos dias, no entanto, a companhia conseguiu pagar parte das dívidas. Com pagamentos atrasados junto a fornecedores e obrigações com concessionárias de aeroportos, a companhia aérea está sob risco de ter de devolver 11 aviões, equivalentes a 18% de sua frota, à Constitution Aircraft.

“A Avianca, circunstancialmente, poderá ser beneficiada nesse processo. Com esta MP, alguma empresa internacional poderá se interessar em recompor as condições financeiras da Avianca”, disse Padilha. O ministro explicou ainda que houve uma conversa com ministro da Economia do futuro governo, Paulo Guedes, que concordou com a ideia. “Ele disse que estava rigorosamente conforme aquilo que entende que deva ser feito. Estamos fazendo em consonância com o novo governo”.

A assinatura da MP impacta os papéis das aéreas negociadas na bolsa paulista. A Gol (GOLL4) operava com alta de 4,69%, a R$ 21,88. A Azul (AZUL4) avança 1,43%, para R$ 34,13, em movimento semelhante ao da sua concorrente.

Nos últimos dois dias, o papel da Azul ganhou 8%. A XP Investimentos, em um comunicado enviado a clientes nesta quinta-feira, elevou as ações da aérea para “compra”, colocando um preço-alvo de R$ 40,00, seguindo a avaliação do Itaú BBA, que aumentou o preço justo para as ações da companhia de R$ 40 para R$ 45 ao final de 2019. A análise das duas instituições se contrapõem ao do Goldman Sachs do início do mês, que cortou a recomendação de compra para neutra, com preço-alvo de R$ 40,70, contra R$ 37,70 da leitura anterior.

Já as ADRs das operações colombianas da Avianca negociadas em NY afundavam 4% a US$ 4,62.

Segurança Nacional

O governo negou que a liberação do controle estrangeiro no capital das aéreas ameace a segurança nacional. No anúncio, o ministro utilizou o exemplo das companhias telefônicas, que já adotam a prática. “Não há tema mais estratégico para a segurança nacional e o conhecimento do que a telefonia. E na telefonia, temos possibilidade de 100% de capital estrangeiro. Temos que caminhar nessa direção para as empresas aéreas também”.

Padilha afirmou ainda que o setor ficará mais competitivo e o consumidor ganhará com isso. Segundo ele, a nova política estimulará o surgimento de novas companhias, novos destinos, com estímulo ao turismo e geração de emprego no setor. Na avaliação do governo, a medida também estimulará a redução de preços das passagens, que viria com o aumento da concorrência.

Tripulação Nacional

De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a exploração dos serviços aéreos pode ser feita por empresa constituída segundo as leis brasileiras com sede de administração no Brasil. As profissões de piloto de aeronave, comissário de voo e mecânico de voo continuam destinadas exclusivamente a brasileiros natos ou naturalizados.

De acordo com a agência reguladora, a medida vai estimular a desconcentração de empresas no mercado doméstico e o aumento da quantidade de rotas ofertadas e integração com rotas internacionais.

” O ingresso de capital estrangeiro no país tende a aumentar a competição no setor ao ampliar as fontes de recursos para as companhias já existentes e potencializar o surgimento de novos entrantes”, disse a assessoria da Anac.

A Anac disse ainda que a queda na barreira de participação do capital estrangeiro “segue uma tendência de abertura já verificada em outros países e equipara o mercado de aviação ao que já é adotado em praticamente todos os setores da economia.”

O Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA) vigente é de 1986, anterior à lei que criou a Anac, de 2005, e estabelece como limite máximo ao capital estrangeiro o percentual de 20%.

*Com informações do Valor Econômico, Investing.com e Agência Brasil

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você