Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Mercados emergentes em xeque devem se atentar a cada palavra de Powell

Bloomberg - 19/08/2019 - 8:20
Sinais de flexibilização adicional podem ajudar a reverter as perdas que tornaram alguns ativos de mercados emergentes baratos (Imagem: Andrew Harrer/Bloomberg)

Os investidores ficarão atentos a cada palavra de Jerome Powell nesta semana em busca de pistas sobre se o atual nervosismo nos mercados emergentes é justificado.

Com as ações e moedas das economias em desenvolvimento no recuo, o discurso do presidente do Federal Reserve (Fed) na reunião anual do Fed de Jackson, na sexta-feira, será fundamental para avaliar se os políticos dos EUA contribuirão para o corte de taxas de julho. Sinais de flexibilização adicional podem ajudar a reverter as perdas que tornaram alguns ativos de mercados emergentes baratos em relação a seus retornos prováveis, de acordo com o Morgan Stanley.

Spreads de títulos soberanos estabelecidos para maior aumento em mais de sete anos

“Ações políticas, inclusive do Fed, e forças cíclicas naturais devem eventualmente ajudar a atividade a se recuperar”, disseram estrategistas do James Lord, com sede em Londres, em nota enviada por email em 18 de agosto.

“Os ativos de risco dos mercados emergentes tendem a ultrapassar e valor, com grandes movimentos negativos no período de maio a outubro ”, disseram, acrescentando que mais tempo e avaliações mais baixas são necessárias para recuperar os investidores.

Com a preocupação crescente de que a economia global está caminhando para uma recessão, os spreads dos títulos soberanos dos mercados emergentes estão em curso para o maior aumento mensal desde 2012, enquanto o rendimento médio dos títulos em moeda forte subiu na semana passada mais desde um ano. Os índices estimados de preço / lucro das ações estão próximos do nível mais baixo desde janeiro.

Os títulos em moeda local nos mercados em desenvolvimento estão se saindo melhor, com um índice Bloomberg Barclays mostrando a dívida de alto risco das nações menos impactadas pela turbulência no exterior continuarem a se beneficiar do colapso nos rendimentos globais de títulos.

O Egito reina supremo nessa categoria, com a dívida rendendo uma média de 16%, a maior do mundo em desenvolvimento depois da Argentina, segundo o índice. Mesmo que o país do norte da África atinja as expectativas com um corte de 100 pontos-base na taxa básica de juros na quinta-feira, a taxa ajustada pela inflação permanecerá entre as mais altas do mundo. A Indonésia e a Zâmbia também decidirão sobre a política monetária nesta semana.
Jogando Política

Os mercados terão uma chance na segunda-feira de reagir à decisão do fim de semana do ministro da Economia da Argentina, Nicolas Dujovne, de renunciar.

Dujovne, que liderou as negociações de resgate entre a Argentina e o Fundo Monetário Internacional no ano passado, justificou sua saída dizendo que o governo precisa de “renovação significativa na área econômica” após a derrota de Mauricio Macri para o esquerdista Alberto Fernandez em 10 de agosto. o máximo desde 2015.

A disputa comercial entre os EUA e a China continuará sendo um foco para os mercados. Pequim prometeu retaliação pelas iminentes tarifas dos EUA, o que, segundo ele, viola os acordos firmados entre os dois líderes.
Trump disse no fim de semana que os EUA estão “indo muito bem com a China e conversando!”, Mas sugeriram que ele não estava pronto para assinar um acordo comercial.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, deve responder às perguntas dos parlamentares no parlamento. Ele será questionado sobre o financiamento que recebeu para sua campanha de 2017 para conquistar a liderança do Congresso Nacional Africano.

O ciclo de flexibilização

O banco central da China disse que vai começar a liberar uma nova taxa de referência para empréstimos bancários na terça-feira, mais um passo na tão esperada reforma das taxas de juros que deve trazer menores custos de empréstimos para a economia.

O Egito provavelmente reduzirá sua taxa de depósito para 14,75% na quinta-feira. O Goldman Sachs Group Inc., que também registra corte de 100 pontos-base, disse que o banco central afirmou repetidamente sua opinião de que a manutenção de uma taxa real “positiva” é apropriada.

A reunião de política do Banco da Indonésia na quinta-feira será acompanhada de perto depois que três bancos centrais asiáticos – Índia, Tailândia e Filipinas – reduziram as taxas de juros no início deste mês, com duas delas entregando mais decisões dovys do que o esperado. Economistas estão quase divididos no próximo movimento do banco central.

A autoridade monetária vem intervindo para manter a estabilidade da rupia, que enfraqueceu 1,6% neste mês
Os dados do Brasil devem mostrar uma inflação abaixo da meta, reforçando as apostas de novos cortes de juros depois que a economia provavelmente entrou em recessão no segundo trimestre. As taxas de swap estão precificando em 75 pontos base de flexibilização até o final de 2019.

Os observadores do Brasil também acompanharão a agenda de reformas do governo enquanto os legisladores debatem um projeto de revisão fiscal.

Os investidores no México vão observar os dados da inflação em busca de pistas sobre se o Banxico cortará os custos dos empréstimos novamente em setembro, depois de reduzir as taxas na semana passada pela primeira vez em cinco anos. Uma avaliação de que o crescimento estagnou deve ser confirmada pelos dados finais do produto interno bruto devidos na sexta-feira.

Na África do Sul, os dados de quarta-feira podem mostrar que a inflação desacelerou para abaixo do ponto médio da meta do banco central, proporcionando algum espaço para os formuladores de políticas apoiarem a economia com um corte nas taxas nos próximos meses. O rand é a moeda de mercados emergentes com pior desempenho este mês após o peso argentino.

A ata da última reunião do comitê de política monetária do Banco da Tailândia será divulgada na quarta-feira. Eles podem fornecer informações adicionais sobre quão agressivo será o ciclo de flexibilização depois que as autoridades reduzirem inesperadamente a taxa de referência em 7 de agosto pela primeira vez em mais de quatro anos.

Dados econômicos

A Tailândia informou nesta segunda-feira que o Produto Interno Bruto subiu 2,3% em relação ao mesmo período do ano passado no segundo trimestre, comparado a 2,8% no trimestre anterior. Esse é o ritmo mais lento desde o terceiro trimestre de 2014, à medida que as exportações e o turismo se deterioraram, afetados pelas tensões comerciais entre os EUA e a China e pela forte moeda local.

Dados do comércio de Taiwan, Coréia do Sul e Tailândia, que serão divulgados nesta semana, lançarão mais luz sobre como a guerra comercial está prejudicando as principais economias asiáticas.

Investidores esperançosos de flexibilização política na Polônia nos próximos 12 meses terão muito o que comer. O escritório de estatísticas da Polônia apresentará os dados de salários e emprego de julho na terça-feira, seguidos pela produção industrial e impressão de PPI na quarta-feira, e as vendas no varejo na quinta-feira, dia em que o banco central divulgará os minutos da última reunião de política.

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 19/08/2019 - 8:22