Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Sidnei Nehme: Todo dia, fatos novos afetam humores no jogo dos mercados e interesses globais!

14/08/2019 - 13:31
Colunista faz análise sobre cenário internacional

Até parece que Donald Trump está numa das mesas de apostas de seus casinos, a cada dia um lance agressivo ou defensivo e com isto espalha reações de disfuncionalidades pelos mercados de todo o mundo.

A economia global dá sinal de encolhimento e predominância da insegurança nas decisões de investimentos e tem deixado espaço para prognóstico apontando até para recessão generalizada ou específica nos Estados Unidos, e isto a coloca em postura defensiva retraindo a probabilidade de investimentos e priorizando a segurança à rentabilidade, fazendo do dólar, do ouro e também do yen os “portos seguros” para preservação de valor dos recursos, e com o dono da banca executando jogadas temerosas as resultantes no comportamento dos mercados assume o “random walk”, o preço de hoje será o de ontem mais os fatos novos de hoje.

A Argentina teve aliviadas as pressões em torno de tudo que a ela se relaciona, mas não parece e nem poderia parecer que superou o forte impacto das perspectivas eleitorais, denotando estar marcada para naufragar nos seus intentos de sustentação e mantendo firme a tendência a ocorrência de “default” até mesmo antes das eleições.

A volatilidade deverá ser a tônica de seus indicadores de forma geral. A insegurança “destrói” o peso argentino frente ao dólar, e até mesmo frente ao real.

Mas o fato relevante e impactante foi a atitude de ontem dos Estados Unidos, naturalmente regida por seu Presidente, de buscar “aliviar” as tensões imediatas e as postergar para, quem sabe, dezembro prorrogando a aplicação de novo tarifaço parcialmente para dezembro.

A leitura imediata é que o Presidente Trump pode ter sentido que a China tem força para reagir às agressões americanas de forma contundente e sutil, causando impactos na economia americana, principalmente, no setor agrícola que o apoia e tornando-se um concorrente ainda mais forte no mercado internacional, já que sua moeda, o yuan, com preço estabelecido pelo próprio governo diretamente ganha poder de fogo frente ao dólar na formação de preços competitivos internacionais.

O crescimento da tendência ou prognósticos de recessão na economia americana, neste momento, é tudo que o Presidente Trump, candidatíssimo a reeleição, não desejaria, pois pode fulminar suas pretensões.,

Provavelmente, tenha percebido que ao forçar intensivamente o FED a reduzir o juro americano, no que tem sido acompanhado pelo mercado americano, pode não atingir seus objetivos de depreciação do dólar no mercado internacional, visto que a disputa motiva postura defensiva e procura por ativos de segurança, onde se destaca o dólar, o que anularia o efeito juro na formação do preço da moeda americana, mas, contudo, a réplica por parte do Governo Chinês, além de manipular a paridade da sua moeda ostensivamente, com uma redução de juro forçaria maior desvalorização do yuan e acentuaria a demanda por dólar.

O enfrentamento dos Estados Unidos com a China, ancorado na arrogância contumaz do Presidente Trump, certamente não previu “a priori” a capacidade de reação estratégica da China por outros meios que não tarifas, e isto deve estar realmente sendo um pesadelo para ele, pois pode colocar a dinâmica da economia em retração e ameaçar suas chances de reeleição.

A falta de humildade, porém não de inteligência, do Presidente Trump, o impede de dar uma “meia volta volver”, por isso posterga a aplicação de seus atos agressivos e não se pode descartar que possa até aliviar a aplicação das tarifas aos produtos chineses, objetivando evitar o pior.

Esta atitude mitiga as tensões presentes e imediatas, de curtíssimo prazo, e isto repercute no mercado financeiro e seus ativos, mas não deve retirá-las das perspectivas de curto/médio prazo, pois o confronto enveredou por caminhos que sugerem, doravante, maior cautela defensiva e continuidade da insegurança.

Acreditamos que o efeito será discreto nos mercados emergentes que deverão continuar vitimados pela aversão ao risco, e não deverão galgar recuperação da atratividade, sendo a tendência de desvalorização de suas moedas frente ao dólar mantida, embora com movimentos de volatilidade denotando alguma especulação, muito frequente nestas situações.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Ademais, o estreitamento do juro interno e externo no Brasil é um fato que pode exercer pressão sobre a formação do preço do dólar no mercado à vista, face a pressão sobre o custo do “cupom cambial” se houver intensificação do movimento de aversão ao risco.

Assim, deverá ter continuidade o “jogo no mercado global”, não sendo tão fácil arrefecer o clima de insegurança, devendo continuar predominando a postura defensiva e, consequente, baixa tendência a novos investimentos e represamento dos recursos em ativos de segurança que prevalecerão sobre os de rentabilidade.

Entendemos, como temos ressaltado que o Brasil tem problemas pontuais que só a ele próprio cabe a implementação de atitudes ousadas e agressivas para sair do marasmo que o impede de dinamizar a atividade econômica e restabelecer o crescimento, gerando empregos, renda e consumo e motivação para o setor produtivo seguir a mesma rota, e nesta fase despertando baixíssima atratividade externa, por isso não vemos tendência imediata do preço do dólar retroceder de forma sustentável do patamar atual.

O Brasil segue com as reformas em rota correta, mas para alancar a retomada da atividade econômica está num “corner”!

Última atualização por Bruno Andrade - 14/08/2019 - 13:31