Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Sidnei Nehme: BC neutro resulta em disfuncionalidade do câmbio

04/12/2019 - 7:15
Banco Central do Brasil
Para colunista, a formação do preço em razão desta estratégia do BC acabou perpetuando a disfuncionalidade(Imagem: Facebook do Banco Central do Brasil)

Por Sidnei Nehme, Economista e Diretor-Executivo da NGO Associados Corretora de Câmbio

O mercado de câmbio brasileiro ressente-se de fluxo cambial positivo e sinaliza que precisa de liquidez à vista fornecida pela autoridade monetária, o Banco Central, desde agosto.

Pontualmente, liquidez à vista, somente isto, simples assim.

O BC então deu início a sua intervenção naquele mês, porém o fez de forma inapropriada ao buscá-la “neutra”, ou seja, dando liquidez mas não desejando interferir na formação da taxa conjugou a oferta de moeda à vista com a oferta de swaps cambiais reversos.

A formação do preço em razão desta estratégia do BC acabou perpetuando a disfuncionalidade, e ficou fora do parâmetro da razoabilidade face ao contexto brasileiro, deixando a perspectiva de fechamento do ano que fora R$ 3,80, passando-a para R$ 4,00, considerado equilibrado e conforme com o “status quo” e avançou face à disfunção para além dos R$ 4,20.

Esta opção estratégica deu liquidez, mas ao mesmo tempo deu sustentabilidade à manutenção da disfuncionalidade, que resultou não combatida e sim sustentada.

Dólar Câmbio
Volume em torno de US$ 23 bilhões de dólares à vista não foi capaz de sensibilizar a formação do preço (Imagem: Gustavo Kahil/Money Times)

Por isso a oferta de volume em torno de US$ 23 bilhões de dólares à vista não foi capaz de sensibilizar a formação do preço, mesmo sendo montante superior ao déficit do fluxo cambial, pois a oferta conjugada de swaps cambiais reversos impedia o efeito corretivo do preço.

Esporádica e raramente quando a pressão sobre a formação do preço se demonstrou intensidade realizou oferta simples de moeda à vista, isto mais recentemente.

Ficou inclusive a percepção de que a taxa mais desvalorizada atendia objetivo do governo, a partir de ilações decorrentes de declarações de membros do governo salientando a menor importância do fato.

Justifica-se com o novo cenário de juro baixo e a não preocupação inflacionária tendo em vista que a baixa atividade econômica impedia o repasse aos preços relativos da economia.

Dólar Câmbio
Um absoluto paradoxo para um país que detinha reservas cambiais robustas da ordem de US$ 380 bilhões e toda uma gama de opções operacionais capazes de manter o mercado de câmbio brasileiro imune (Imagem: Reuters/Sergio Moraes)

Isto acabou por criar desnecessários ruídos inoportunos e inadequados como se o país estivesse convivendo com uma crise cambial.

Um absoluto paradoxo para um país que detinha reservas cambiais robustas da ordem de US$ 380 bilhões e toda uma gama de opções operacionais capazes de manter o mercado de câmbio brasileiro imune à grande maioria de fatores internos e externos com potencial de distorcer a formação do preço.

Tecnicamente este cenário que contribui e contribuiu para a elevação do preço da moeda americana no nosso mercado parece absolutamente procedente e fundamentado.

Embora, como contumaz, se procure atribuir a causas alheias às nossas mazelas as causas, como dar peso elevado à disputa comercial sino-americana, que afeta mas não é a causadora da disfuncionalidade excessiva no preço.

EUA China
Como contumaz, se procure atribuir a causas alheias às nossas mazelas as causas, como dar peso elevado à disputa comercial (Imagem: Reuters/Damir Sagolj)

Evidentemente que a nossa balança comercial sofreu efeitos relevantes e teve forte redução, em especial pela queda das exportações, o que determinou a expansão do déficit em transações correntes de 0,91% em junho para conhecidos atuais 3,0%.

Mas que não foi capaz de afetar o nosso conceito de risco CDS que se mantém avaliado em torno de 124 pontos.

Também é notório que houve um interregno entre a forte saída de recursos estrangeiros especulativos e que ainda perdura tendo em vista que os capitais estrangeiros de melhor qualidade ainda não confirmaram a esperada retomada a atratividade pelo Brasil.

Mas não é algo fora do foco, já que a economia demonstra, ainda que lenta, recuperação e ganho de tração para o ano de 2020.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

No nosso entender, a taxa cambial no em torno de R$ 4,20 continua disfuncional em relação à efetiva situação do país, e entendemos também que ainda é tempo do BC suspender sua intervenção “neutra” e reforçá-la com leilões somente de moeda à vista ao longo deste mês de dezembro.

Para eliminar esta disfuncionalidade causada pela carência de fluxo, que cabe a autoridade monetária sanar sendo que para tanto detém as reservas cambiais e é a guardiã da moeda nacional.

Uma vez, equacionada a taxa cambial no preço considerado fundamentado e razoável no em torno de R$ 4,00, o BC poderia então retomar a intervenção na forma neutra, mantendo-a até que o fluxo cambial evidencie recuperação positiva.

O que se espera para com o PIB confirma o crescimento para este ano em 1% e perspectiva sustentável em 2%, no mínimo, para 2020, conduzindo o Brasil à retomada da atratividade aos investidores externos.

Última atualização por Lucas Simões - 04/12/2019 - 7:15