Últimas Notícias Perspectivas 2019 Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Santander reafirma otimismo com Brasil e vê Ibovespa em 115 mil pontos em 2019

Investing.com Brasil - 10/01/2019 - 12:07

Santander

Por Investing.com – Nesta quinta-feira, o Santander Brasil (SANB11) divulgou relatório no qual seus estrategistas reiteraram a recomendação ‘overweight’ para ações brasileiras conforme relatório a clientes nesta quinta-feira, enxergando melhora no balanço de riscos domésticos, bem como elevaram a meta para o Ibovespa para 115 mil pontos no final do ano.

Chegou o Pré-Market Money Times! CADASTRE AGORA e Receba antes do mercado

Entre as apostas do banco, estão Banco do Brasil (BBAS3), no lugar de Petrobras (PETR4), Lojas Renner (LREN3), substituindo CVC (CVCB3), Odontoprov, no lugar de Itaú Unibanco (ITUB4), Randon (RAPT4), que substitui Iochpe-Maxion (MYPK3), além da Rumo (RAIL3) .

Entre os fatores que sustentam a visão positiva quanto ao balanço de riscos interno, Daniel Gewehr e João Noronha citam crescimento de lucros atrativos, com pequenas revisões positivas nos resultados, preço ainda favorável, potencial retorno de alocação em ações e reformas, embora dependentes do Congresso.

“Em razão de uma curva de juros de longo prazo menor, nós elevamos nossa meta para o Ibovespa para 115 mil pontos ante 105 mil pontos”, afirmaram os estrategistas, em relatório com o título ‘Entre a esperança e a realidade’, com perspectiva para o mercado acionário brasileiro em 2019.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Gewehr e Noronha aumentaram o ‘overweight’ em papéis de serviços de utilidade pública e bancos, citando melhora no tema envolvendo companhias de controle estatal, bem como elevaram papéis de saúde e cuidados pessoais para ‘overweight’ em razão da criação de vagas formais.

Entre os riscos para a bolsa a serem monitorados, eles destacam as reformas estruturais, alta correlação com commodities e vulnerabilidade de mercados emergentes à política monetária norte-americana e a questões de comércio global.

Com Reuters.