Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Rondônia e Amapá deixam grupo de Estados que podem tomar garantia da União em empréstimos

14/08/2019 - 9:32
Real Dinheiro
Segundo o Tesouro Nacional, os dois Estados tiveram piora em suas notas de crédito (Imagem: REUTERS/Bruno Domingos)

Os Estados de Rondônia e Amapá pioraram sua nota de crédito de B para C em nova avaliação do Tesouro Nacional, que alertou que outros seis Estados — Acre, Pará, Paraíba, Piauí, Paraná e São Paulo — podem sofrer igual rebaixamento, deixando com isso de integrar o grupo de entes que podem tomar empréstimo com garantia da União.

Em relatório publicado nesta quarta-feira, o Tesouro apontou que apenas o Espírito Santo tem nota A na chamada capacidade de pagamento (Capag), classificação que manteve do ano passado para cá.

De 2018 para 2019, o Piauí melhorou sua nota de C para B. Além dele, outros oito Estados também possuem essa avaliação: Acre, Alagoas, Amazonas, Ceará, Pará, Paraíba, Paraná e São Paulo. Mas o quadro corre risco de mudar em 2020 em função da deterioração das contas públicas de alguns deles.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Apenas Estados com nota A ou B podem contrair empréstimos garantidos pelo Tesouro.

“Importante destacar que os Estados do Acre, Pará, Paraíba, Piauí, Paraná e São Paulo estão próximos de perder o seu rating B, pois a relação entre Despesa Corrente e Receitas Correntes já se encontra bem próxima da margem de 95%”, assinalou o Tesouro.

“Para esses Estados, faz-se necessário esforço maior em aumentar a receita e cortar gastos, pois a nota poderá ser rebaixada para “C” já no próximo ano”, completou.

Atualmente, 14 Estados têm nota C. Integram o time Amapá, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.

Na lanterna do rating de crédito, estão Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, os três com nota D.

O governo enviou ao Congresso o chamado Plano de Promoção do Equilíbrio Fiscal (PEF) para que Estados com nota C possam contrair empréstimos com garantia da União. Em contrapartida, devem escolher três medidas de ajuste fiscal de um cardápio de oito para que criem condições de alcançar a nota B até o fim do mandato do governador atual.

PREVIDÊNCIA

O Tesouro ressaltou que a inclusão de Estados e municípios na reforma da Previdência é “fundamental” para a retomada do equilíbrio fiscal dos entes. Originalmente, os governos regionais integravam a proposta do governo, mas acabaram sendo retirados do texto que já foi aprovado em dois turnos pela Câmara dos Deputados.

Agora, discute-se a inclusão de Estados e municípios numa Proposta de Emenda à Constituição (PEC) paralela, de modo a não atrasar a votação da reforma no Senado.

Segundo o relatório desta quarta-feira, o custo do regime de Previdência para os Tesouros estaduais, de acordo com a metodologia do Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal (PAF), chegou a 101,3 bilhões de reais em 2018, alta de 8% sobre 2017 e 20,48 bilhões acima dos números apresentados pelos próprios Estados em seus Relatórios Resumidos de Execução Orçamentária.

Última atualização por Lucas Simões - 14/08/2019 - 9:32