Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Rock in Rio amplia vendas em 50% da Oi, diz Estadão

Investing.com Brasil - 10/10/2019 - 11:38
Oi
Rock in Rio elevou em 50% as vendas da Oi, mesmo assim, as ações ordinárias da tele, que têm maior volume de negócios, operam em baixa (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

Por Investing.com

A empresa de telecomunicações Oi (OIBR3) elevou em 50% as vendas em seu site do seu serviço de TV por assinatura e banda larga via fibra ótica – a Oi Fibra – durante o Rock in Rio, evento cuja infraestrutura de internet foi montada pela tele. As informações são da coluna do Broadcast do jornal O Estado de S.Paulo.

Mesmo assim, as ações ordinárias da tele, que têm maior volume de negócios, operam em baixa de 1,03% a R$ 0,96, enquanto as preferenciais sobem 0,69% a R$ 1,45. Hoje é a 12º sessão consecutiva que os papéis ordinários operam abaixo de R$ 1,00. Após 30 sessões nesta faixa de preço, a B3 vai exigir que a Oi faça um plano de ação para que volte a ser cotada acima de R$ 1,00.

Sopro de esperança

A coluna destaca que a empresa utilizou o evento musical como vitrine para o desenvolvimento da fibra, que é a cartada da Oi, junto com a rede móvel 4G, para recuperar a receita perdida nos últimos meses.

A elevação das vendas em 50% dos produtos citados foi durante os 10 dias que compreenderam o evento, entre 27/9 e 6/10 em comparação aos 10 dias anteriores.

A Oi está em recuperação judicial desde 2016. A redução de caixa disponível nos próximos meses elevou a especulação de venda da tele ou parte de sua operação, com até boato de eventual intervenção da Anatel caso não consiga manter os serviços operacionais.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Já foi especulado o interesse de China Mobile com Huawei e da AT&T na aquisição de toda a tele. Já a aquisição da rede móvel da Oi seria de interesse de aliança de suas concorrentes Telefonica (TEF), TIM (TIMP3) Brasil e Claro, que fatiariam a rede após a compra.

Dentro do plano estratégico da Oi, está inserido o plano de venda de ativos não-essenciais para recuperar o caixa, como a venda de 25% na participação na angolana Unitel.

Última atualização por Rafael Borges - 10/10/2019 - 11:38