Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Renault propõe nova fusão com Nissan após saída de Carlos Ghosn

Equipe Money Times - 23/04/2019 - 3:52
Francesa Renault busca solidificar parceria com a japonesa Nissan (Divulgação/Renault Nissan)

A fabricante francesa Renault propôs novamente uma fusão com a japonesa Nissan Motor, informou nesta terça-feira (23) o jornal The Japan Times, citando fontes próximas ao assunto. A tentativa de união ocorre após a saída do executivo brasileiro Carlos Ghosn do comando das montadoras.

A Renault, maior acionista da Nissan, busca solidificar sua parceria com a empresa japonesa, que contribui com cerca de metade do lucro líquido da montadora francesa. Mas alguns executivos da Nissan consideram o equilíbrio de parceria injusto, disseram fontes familiarizadas com o assunto.

A Nissan rejeitou a proposta feita em meados de abril. O governo francês – maior acionista da Renault – fez uma oferta semelhante em janeiro, depois que a aliança foi abalada pela prisão de Ghosn em novembro.

A Renault detém uma participação de 43,4% na Nissan, que tem uma participação de 15% na empresa francesa sem direito a voto. A Nissan vendeu 5,65 milhões de veículos em todo o mundo no ano passado, 1,5 vezes mais que a Renault.

A proposta mais recente surge no momento em que as duas montadoras e a Mitsubishi Motors, terceira parceira da aliança, lançaram um novo órgão de administração em março para comandar o segundo maior grupo automotivo do mundo em volume.

A Renault continua liderando a parceria depois que Ghosn deixou o cargo, com seu presidente, Jean-Dominique Senard, nomeado novo comandante da empresa.

Entenda o caso Ghosn

Executivo brasileiro recebeu ontem uma quarta denúncia contra ele (Divulgação)

O brasileiro Carlos Goshn, até então considerado um “superstar” no setor automotivo e comandante da aliança Renault-Nissan-Mitsubishi, foi acusado de violações financeiras, quebra de confiança e de repassar dívida pessoal à Nissan.

Promotores japoneses apresentaram ontem (22) uma nova denúncia contra ele. A acusação, a quarta contra o empresário desde novembro do ano passado, é sobre má gestão de fundos através de uma empresa com sede em Omã.

O executivo foi indiciado duas vezes por não declarar todos os rendimentos entre 2010 e 2018 nos documentos que a Nissan entregou às autoridades financeiras japonesas.

Ghosn também foi acusado de abuso de confiança, com a denúncia, entre outras coisas, da tentativa de fazer a Nissan compensar as perdas em seus investimentos pessoais durante a crise financeira de 2008.

Em 6 de março, Ghosn foi libertado após passar 108 dias em um centro de detenção em Kosuge (norte de Tóquio), após pagar fiança de 1 bilhão de ienes ( € 8 milhões, o equivalente a R$ 35,4 milhões). No início de abril, ele foi levado novamente para a mesma prisão.

Ele havia sido colocado em prisão domiciliar, porque o tribunal descartou o risco de fuga e de destruição de provas. Uma situação que, segundo os advogados, não mudou e poderia justificar uma nova libertação, à espera do julgamento, dentro de vários meses.

 

Última atualização por - 23/04/2019 - 3:52