Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Quer valuation e crescimento cíclico? Shoppings podem ser a resposta, diz BTG

Valter Outeiro da Silveira - 14/06/2019 - 17:31
BTG avalia setor imobiliário na América Latina e reitera preferência por shopping (Divulgação/Multiplan)

“Permanecemos mais positivos com shoppings brasileiros”. A afirmação permeia relatório do BTG Pactual sobre o setor imobiliário na América Latina, no qual os analistas estudam as particularidades de cada segmento e comparam o valuation entre os mesmos.

Para o banco, as ações da Multiplan (MULT3) e do Iguatemi (IGTA3) são top picks na região. “Os shoppings brasileiros são negociados com cerca de 200 pontos-base de spread sobre as taxas locais de benchmark”, ponderam os analistas, destacando o desconto existente entre os shoppings e as taxas de referência, “levemente acima dos níveis históricos”.

Baratos e defensivos

Além disso, o BTG Pactual pondera que os shoppings brasileiros são “baratos e defensivos”, ao destacaram o portfólio AAA – dado que ambas as empresas detém os maiores centros de consumo do Brasil, tendo os “melhores portfólios” na visão do banco – e o “valuation atratente”.

Continua depois da publicidade

“Vemos todas as empresas sendo negociadas com uma taxa de desconto frente ao valuation oferecendo potencial de crescimento (principalmente em um cenário de recuperação da economia)”, pondera a equipe de analistas formada por Gustavo Cambauva, Gordon Lee, Elvis Credendio, Alvaro Garcia e Mariana Cruz.

Além da dupla composta por Multiplan e Iguatemi, o BTG Pactual destaca positivamente as ações de BrMalls (BRML3) e da Aliansce (ALSC3), listando recomendação de compra para ambas as ações, a medida que a recuperação nos consumidores da classe B deverão dar suporte à performance dessas companhias.

M&A como proxy

Mais adiante na análise, o BTG levanta um ponto extremamente importante: a atividade de M&A (Fusões e Aquisições) no setor como proxy (metonímia) de quão descontadas estão as empresas deste setor.

“Para os shoppings brasileiros, nós destacamos que as diferenças nos múltiplos de M&A está dependendo bastante da qualidade do ativo adquirido”, ponderam os analistas, ressaltando ainda o desconto em relação à média histórica e aos pares latino-americanos.

Confira abaixo tabela com as recomendações e os preços-alvo:

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 14/06/2019 - 17:31