Últimas Notícias Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Quem não se lembra da Sheila Bair? Ela está de volta, e bem preocupada!

Opinião - 10/01/2019 - 15:51

Por Marink Martins, do blog MyVol e autor da newsletter Global Pass

Quando se discute a crise de 2008, o mais comum é falar sobre a quebra do banco Lehman Brothers, do resgate da AIG, e do quasi-colapso da economia americana.

Por trás desta, que foi a maior crise financeira desde 1929, houve um embate entre o secretário do tesouro, Timothy Geithner, e a presidente do FDIC (fundo garantidor de crédito dos EUA), Sheila Bair, que durante as semanas subsequentes ao fatídico dia 15/9/2008 (dia do pedido de falência da Lehman), foi responsável por grande parte da incerteza predominante da época.

No cerne da discordância entre as duas autoridades, a decisão de impor ou não um deságio (“haircut”) para os títulos de renda-fixa nas mãos dos credores de bancos problemáticos. O episódio mais marcante desta briga esteve relacionado a venda do banco Washington Mutual (“WaMu”) que acabou adquirido pelo banco JP Morgan por US$1,9 bilhões.

No fim, a visão de Geithner acabou prevalecendo e os credores se safaram!!!

Abordo este assunto pois a Sheila Bair publicou hoje um artigo (“Op Ed”) no jornal The New York Times em que chama atenção para outros riscos presentes na economia americana que vão além do atual impasse que vem provocando a paralisação parcial do governo americano.

Em particular, ela chama atenção para o risco presente no mercado de dívida corporativa e expressa uma opinião análoga aquela explorada por Louis-Vincent Gave que afirma que o capital dos market-makers é hoje relativamente pequeno para enfrentar situações adversas no mercado.

Louis-Vincent Gave, em sua análise, compara os dias de hoje como uma pescaria que faz uso de dinamites. Diz ele: primeiramente, emergem os peixes pequenos (Turquia, Argentina, cryptos, maconha, e outros); posteriormente, emerge a grande baleia.

Quem será a baleia? (entre os candidatos, empresas cuja classificação de risco é BBB e que estão na iminência de um downgrade em caso de uma deterioração na economia).

Marink Martins
Segue abaixo o texto traduzido – o link para o artigo original está aqui.

O “Government shutdown” não é a única ameaça para a economia!

O momentum por trás da economia americana é forte. Em 2018, o desemprego atingiu sua menor taxa em 49 anos, 3,7%. Os salários reais estavam (finalmente) aumentando e a inflação permanecia muda. Em 2019, o crescimento deverá diminuir, mas ainda permanecerá acima de 2%.

Ainda há riscos abundantes. A guerra comercial e o drama crescente sobre o “government shutdown” ameaçam o crescimento. Enquanto isso, o primeiro Relatório de Estabilidade Financeira do Federal Reserve, um sistema de alerta antecipado para os mercados financeiros, destacou recentemente as vulnerabilidades criadas por investidores que demonstram uma “alta tolerância a riscos” no mercado de dívida corporativa. A saúde continuada da economia dependerá de se os grandes bancos de Wall Street podem resistir a choques causados ​​por essas ou outras ameaças.

Nesta frente, está longe de ser certo que os bancos e seus reguladores estejam preparados.

Anos de baixas taxas de juros resultaram em dívidas excessivas e elevação dos preços dos títulos corporativos. O mercado de títulos corporativos cresceu para quase US$7 trilhões. A dívida das empresas como porcentagem do produto interno bruto é recorde. Mas a qualidade de crédito dos títulos com grau de investimento se deteriorou. Os padrões de underwriting para a emissão de dívidas alavancadas se deterioraram. E até recentemente, os rendimentos de junk bonds permaneceram baixos, um sinal de que os investidores estão dispostos demais a assumir o risco de títulos mantidos por empresas com crédito inferior.

Essas vulnerabilidades podem ampliar os choques e criar interrupções sistêmicas. Em uma desaceleração do mercado, rebaixamentos generalizados de títulos corporativos poderiam induzir uma queda significativa dos preços, precipitando quedas acentuadas no preço dos títulos e alimentando um ciclo de novas reduções e chamadas de margem. Corporações altamente alavancadas podem ter dificuldade em refinanciar ou obter mais crédito, aumentando o risco de inadimplência e falências corporativas.

Rachaduras já estão se formando. Em dezembro, os empréstimos no mercado de títulos high yield ficaram paralisados. Os negócios no mercado de empréstimos alavancados também estão atrasados ​​devido à falta de interesse dos fundos mútuos e dos gestores de CDOs, os maiores compradores de empréstimos alavancados. Esses eventos sinalizam dificuldades para empresas altamente endividadas que buscam mais financiamento.
Essa instabilidade levanta uma questão básica: os grandes bancos são fortes o suficiente para lidar com isso? O Fed parece pensar que eles são. Os bancos estão mais bem capitalizados do que antes da crise financeira de 2008, e os testes de estresse mostram que podem resistir a fortes quedas nos preços dos ativos que detêm. Mas o Fed pode estar sendo excessivamente otimista.

Os bancos de Wall Street têm exposição significativa à dívida corporativa. Eles fazem empréstimos alavancados, investem em CDOs, estendem crédito a empresas, incluindo hedge funds altamente alavancados, e compram e vendem proteção em dívidas corporativas no mercado de swaps de inadimplência.

Em uma crise, essas exposições poderiam servir como um canal de contágio em um sistema financeiro altamente interconectado dominado por grandes bancos.

No entanto, os testes de estresse dos bancos não capturam adequadamente essa dinâmica. Testes de estresse não consideram como a resposta de uma empresa a um choque pode reverberar. Eles também subestimam o efeito do estresse do setor financeiro sobre a economia. Isso ajuda a explicar por que os testes permitiram que o capital bancário diminuísse ligeiramente, apesar dos preços elevados dos ativos e dos cenários cada vez mais rigorosos.
Os testes de estresse também se baseiam principalmente em índices de capital baseados em risco, que variam com base no risco percebido dos ativos de um banco. Esses índices são rotineiramente utilizados e, como aprendemos em 2008, são um indicador ruim da saúde financeira de uma empresa. Um critério mais credível é o índice de alavancagem suplementar, que é um limite máximo para a porcentagem do financiamento de um banco da dívida. Mas, com base em comentários recentes de altos funcionários do Fed, seu papel no teste de estresse pode ser totalmente eliminado.

Para ter certeza, as reformas implementadas após a crise financeira de 2008 aumentaram a resiliência dos bancos. Os oito bancos globais de importância sistêmica nos Estados Unidos agora atendem a requisitos adicionais de capital e liquidez, incluindo uma taxa destinada a garantir que eles absorvam os efeitos de seu próprio fracasso sem prejudicar a economia em geral. Mas também aqui existem deficiências. Ao calcular a taxa, o Fed se baseia em dados históricos incompletos que ignoram as perdas que os resgates dos contribuintes evitaram na última crise. Essas deficiências não inspiram confiança.

As recessões que surgem do estresse no setor financeiro tendem a se aprofundar e duram mais do que outras recessões. Como o ex-presidente do Federal Reserve, Paul Volcker, alertou recentemente, o perigo vem de “não agir enquanto bolhas e excessos ameaçam os mercados financeiros”.

Até agora, os reguladores parecem estar fazendo exatamente isso – ou pior.

Nos últimos meses, os reguladores se propuseram a reduzir os buffers de liquidez dos bancos com até US$ 700 bilhões em ativos, diluir a força e a frequência dos testes de estresse, diminuir a proibição Volcker Rule e cortar as exigências de capital para as exposições corporativas a derivativos. Pressionados por lobistas e outros, os reguladores estão agora contemplando um enfraquecimento da taxa adicional nos oito bancos sistemicamente importantes.

Para evitar uma repetição de 2008, os reguladores devem olhar além das preocupações dos lobistas dos bancos. Ao invés de reduzir o patrimônio líquido e facilitar a salvação de gigantes instituições financeiras na próxima crise, os reguladores devem enfrentar as ameaças à economia. Isso significa exigir margens de segurança mais densas para os grandes bancos e padrões mais rígidos para de empréstimos alavancados. Essas medidas ajudariam a garantir um sistema financeiro mais seguro e, possivelmente, evitar outra crise.

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você
Receba dicas EXCLUSIVAS de investimento em seu e-mail – Não é propaganda