Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

PT pode abrir mão de disputa eleitoral na cidade de São Paulo

Renan Dantas - 21/06/2019 - 19:50
“Quem estiver pior precisa apoiar o aliado que estiver melhor”, disse Lula a interlocutores (Imagem: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Pela vez primeira em sua história, o PT pode abrir mão de lançar um candidato próprio para as eleições municipais de São Paulo. De acordo com o Estadão, o partido está cogitando apoiar candidaturas de centro-esquerda.

A falta de quadros políticos mais competitivos seria a principal razão para não apresentar um nome. Segundo informações, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva orientou o partido a fazer acordos com candidatos de outros grupos que tenham maior chance de vencer, como o PSB, PDT, PSOL e PCdoB.

Um levantamento preliminar feito pelo Grupo de Trabalho Eleitoral (GTE) demostrou que o PT só possui candidatos competitivos em quatro de 27 capitais. A maior possibilidade de vitória está em cidades de porte médio, com 200 mil eleitores.

“Quem estiver pior precisa apoiar o aliado que estiver melhor”, disse Lula a interlocutores que foram visitá-lo em Curitiba, onde cumpre pena.

Em São Paulo, onde o partido governou por três vezes, o cenário é incerto. Entre os nomes cotados, está o apoio ao líder Movimento dos Sem Teto Guilherme Boulos (PSOL) e ao ex-governador Márcio França (PSB).

Na disputa do Governo do Estado, França ficou na frente do atual governador João Doria na cidade de São Paulo. O então candidato recebeu  3.393.092 votos, com 58,10%.

Diferentemente do pleito de 2018, onde recusou o apoio petista, o ex-governador estaria aberto para abraçar uma possível aliança, defendida por pessoas próximas de Lula. Por outro lado, aliados da presidente do PT, Gleisi Hoffmann, disseram preferir o nome de Boulos. A bancada de vereadores e a direção municipal defendem uma candidatura própria.

Os deputados Carlos Zarattini e Paulo Teixeira e o ex-deputado Jilmar Tatto, todos filiados ao partido, também estão no pário para se lançarem. Segundo o presidente municipal do PT de São Paulo, Paulo Fiorilo, a estratégia é ter um candidato próprio.

Três nomes cogitados em São Paulo não têm chances de vitória, segundo avaliação da direção nacional do partido. Lula defendeu a candidatura do ex-ministro Aloizio Mercadante. Porém ele tem dito com clareza que não deseja disputar a Prefeitura.

Outros nomes, como a professora Ana Estela Haddad, mulher do ex-prefeito da capital paulista Fernando Haddad, foram procurados. Ana Estela chegou a se animar com a possibilidade, porém desistiu.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

PGR

Diante dos diálogos vazados entre o ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, a procuradora da República, Raquel Dodge, encaminhou nesta sexta-feira (21) uma manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF) contrária à anulação do processo que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Segundo a procuradora, não existe embasamento que justifique o pedido de suspeição (ausência de imparcialidade) de Moro, uma vez que a alegação da defesa tem base em fatos sobre os quais há dúvidas jurídicas.

“É que o material publicado pelo site The Intercept Brasil, a que se refere a petição feita pela defesa do paciente, ainda não foi apresentado às autoridades públicas para que sua integridade seja aferida. Diante disso, a sua autenticidade não foi analisada e muito menos confirmada”, destacou a procuradoria em documento.

Última atualização por Renan Dantas - 21/06/2019 - 21:54