Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

PT pede ao TSE medidas cautelares urgentes em ação contra fake news

Agência Brasil - 19/10/2018 - 16:55

Gleisi

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, reuniu-se hoje (19) com a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, a quem pediu a aplicação de medidas cautelares urgentes para investigar notícias de que empresas em prol do presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, estariam pagando por serviços de disparos de mensagens em massa contra o partido e seu candidato à Presidência, Fernando Haddad, via WhatsApp.

+ Para Haddad, Justiça é analógica para enfrentar “tsunami cibernético”

+ Bolsonaro e filhos reagem às denúncias de fake news nas redes sociais

“Precisamos de uma atuação urgente quanto a isso, porque é verdadeiramente uma fraude do processo eleitoral”, disse Gleisi Hoffman após o encontro, que durou aproximadamente 1 hora e 30 minutos na sede do TSE, em Brasília. Também participaram do encontro o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, e representantes de PCdoB, Pros e PCB.

Para a presidente do PT, o que houve no primeiro turno foi “uma boca de urna digital feita em grandes proporções que mudou o resultado da eleição praticamente no dia da votação”. Ela acrescentou que acionará a Organização dos Estados Americanos (OEA) para que acompanhem mais de perto a lisura do processo eleitoral brasileiro.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Ontem (18), o partido pediu a abertura de uma ação de investigação judicial eleitoral para apurar o disparo em massa por WhatsApp de mensagens falsas contra o PT às vésperas do primeiro turno.  A legenda alega que a prática configura caixa 2 de campanha, o que poderia resultar na inelegibilidade de Bolsonaro por oito anos, caso comprovada.

Segundo notícia publicada na quinta-feira pelo jornal Folha de S. Paulo, empresários apoiadores de Bolsonaro teriam assinado contratos de até R$ 12 milhões com empresas especializadas na prática. Um dos apoiadores seria Luciano Hang, da rede de varejo catarinense Havan, que apoia o candidato do PSL.

Na ação, o partido pede que buscas sejam feitas nas empresas citadas pela Folha de S. Paulo como participantes do esquema. Segundo advogados do PT que também se reuniram com Rosa Weber, a ministra prometeu conversar com o corregedor eleitoral e relator do caso, ministro Jorge Mussi, para que ele decida ainda nesta sexta-feira sobre as medidas cautelares.

“A notícia do jornal Folha de S. Paulo é uma verdadeira notícia-crime”, disse Eugênio Aragão, advogado do PT. Para ele, caso não sejam autorizadas buscas nas empresas, há o risco de se “destruir provas, documentos, apagar dados em computador ou destruir disco rígidos”.

Para Aragão, a retirada do ar pelo WhatsApp, nesta sexta, de contas que atuam com o disparo em massa de informações falsas ou enganosas representa um elemento de prova de que o esquema envolvendo empresários em apoio a Bolsonaro é verdadeiro.

Ontem (19), em transmissão ao vivo pelo Facebook, Bolsonaro negou ter conhecimento de qualquer esquema relacionado ao WhatsApp. O presidente do PSL, Gustavo Bebiano, também negou que a campanha tenha feito uso de caixa dois. “Toda e qualquer doação feita até hoje foram de recursos doados por meio da nossa plataforma, conforme a legislação”,

PSOL

O presidente do PSOL, Juliano Medeiros, disse que o pedido do partido para que o TSE  imponha restrições ao uso do WhatsApp pretende garantir a livre escolha do eleitor, o que justificaria uma limitação no uso da plataforma de mensagens.

“Ainda é possível, do nosso ponto de vista, que o tribunal tome medidas para impedir que o que a fraude que aconteceu no primeiro turno, através da indução do comportamento eleitoral do brasileiro, possa acontecer no segundo turno”, disse Medeiros.

O PSOL quer uma liminar (decisão liminar) para que a Justiça Eleitoral determine ao WhatsApp a restrição temporária do compartilhamento de mensagens, bem como a redução do tamanho dos grupos na rede social.

Última atualização por Diana Cheng - 19/10/2018 - 16:56