Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Prêmio Nobel de Química diz que reciclagem de baterias pode garantir oferta

Bloomberg - 10/10/2019 - 8:16
Veículo Elétrico
Reciclagem potencializa o aumento da demanda por veículos elétricos (Imagem: Pixabay)

A reciclagem de baterias é a chave para garantir matérias-primas suficientes e, assim, impulsionar o aumento da demanda por veículos elétricos, segundo um dos premiados com o Nobel de Química este ano.

“A questão é se as baterias de veículos elétricos podem ser recicladas”, disse Akira Yoshino, um químico japonês que recebeu o prêmio com outros dois cientistas por seu trabalho pioneiro sobre modernas baterias de íon de lítio usadas em smartphones para carros. “O custo deve valer a pena se todas as baterias usadas no Japão forem coletadas e processadas.”

A transição do mundo para a energia de baterias, incluindo veículos elétricos, deve aumentar a demanda por commodities como cobre, níquel e cobalto.

Mas há também a preocupação de que as mineradoras não serão capazes de expandir a oferta de matéria-prima com rapidez suficiente, e qualquer déficit oferecerá maiores oportunidades de reciclagem. A China já é líder nesse campo.

Eólica e solar

A próxima missão do setor é aumentar a quantidade de energia solar e eólica que possa ser armazenada em baterias usadas em carros, disse Yoshino, 71 anos, em entrevista na quarta-feira.

Depois de 2025, quando Yoshino prevê que os veículos elétricos responderão por cerca de 15% das vendas de carros novos no mercado global, a indústria automobilística provavelmente terá a eletrificação incorporada em veículos de compartilhamento e autônomos, disse.

“O estilo ideal para o futuro é que as pessoas não possuam carro e um veículo autônomo venha sempre que alguém quiser usar o serviço.”

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Yoshino, da Asahi Kasei e Universidade Meijo, compartilhou o prêmio com Stanley Whittingham, um professor britânico-americano da Universidade Estadual de Nova York, em Binghamton, e com o alemão John Goodenough, professor da Universidade do Texas.

As baterias de íon de lítio “revolucionaram nossas vidas” desde que entraram no mercado em 1991, afirmou a Royal Swedish Academy of Sciences em comunicado na quarta-feira.

“Elas lançaram as bases de uma sociedade sem fio e livre de combustíveis fósseis e trazem grande benefício para a humanidade.”

Última atualização por Lucas Simões - 10/10/2019 - 8:37