Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Preços do petróleo tem impulso com aumento do apetite pelo risco

Investing.com Brasil - 11/06/2019 - 10:29
As expectativas de uma extensão dos cortes de produção liderados pela Opep superaram as preocupações com uma desaceleração econômica e uma demanda mais fraca

Por Investing.com

Os preços do petróleo subiram em alta nesta terça-feira, à medida que o sólido apetite por risco e as expectativas de uma extensão dos cortes de produção liderados pela Opep superaram as preocupações com uma desaceleração econômica e uma demanda mais fraca.

A notícia de que a China está impulsionando o estímulo para combater uma recessão econômica forneceu combustível para ativos mais arriscados, como o petróleo, na terça-feira.

Os futuros de petróleo West Texas Intermediate negociados em Nova York ganham 0,98%, a US$ 53,78 por barril, enquanto futuros do petróleo bruto, a referência para os preços do petróleo fora dos EUA  tem alta de 0,51%, para US$ 62,61.

Os preços do petróleo também foram apoiados este ano pelo acordo de corte de produção entre a OPEP e aliados não-membros, incluindo a Rússia.

Os comentários dos ministros de energia da Arábia Saudita e da Rússia nesta semana cimentaram as expectativas do mercado de que a contenção será estendida, apesar de alguma incerteza em torno do acordo.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Khalid Al-Falih, disse que uma prorrogação estava “quase na mão da OPEP” e sugeriu que a incerteza é se um ajuste precisa ser feito.
Jeffrey Currie, diretor de pesquisa de commodities da Goldman Sachs, disse à Bloomberg que o crescimento atual da demanda “não apoiará o fim do acordo de produção, nem é ruim o suficiente para reforçar mais cortes”.

Currie disse que a questão é que a incerteza sobre as exportações iranianas e o crescimento da produção de xisto dos EUA tornam “cada vez mais difícil saber quais os níveis de produção que irão equilibrar o mercado”.

A confusão sobre a data certa da decisão também explode em segundo plano, já que a OPEP ainda tem sua reunião marcada para 25 de junho, com aliados não-membros que devem se unir no dia seguinte.

A Rússia teria pressionado para uma data posterior devido a conflito de agenda, enquanto Alexander Novak, o ministro da Energia do país, havia sugerido que uma data posterior permitiria que os principais participantes discutissem na cúpula do G20 em 28 de junho.

A Rússia teria pressionado para uma data posterior devido a conflito de agenda (Pixabay)

O Energy Intelligence citou fontes da OPEP dizendo na terça-feira que o Irã ainda se opõe a um atraso na reunião, mas a opção atual que está sendo discutida é manter a reunião da OPEP inalterada e adiar a reunião de não-membros para julho.

Com a extensão do corte de produção à parte, Callum Thomas, fundador da casa de pesquisa Topdown Charts, sugeriu que a volatilidade implícita do petróleo bruto deu um sinal contrário de alta que ele acredita pode fornecer altas probabilidades para pelo menos um curto prazo pulo.

Thomas apontou para outros fatores otimistas, como riscos geopolíticos, como um potencial conflito iminente entre os EUA e o Irã, ou as tensões civis na Venezuela.

“O mercado claramente ignorou esses riscos, mas acho que seria errado esquecê-los completamente, já que, embora esses riscos possam não necessariamente se materializar amanhã, eles continuam fervendo em segundo plano – e deve haver algum prêmio de risco” ele disse.

Em outros negócios de energia, os futuros da gasolina sobem 1,05%, enquanto óleo de aquecimento sobe 0,45% para US$ 1,8195 por galão.

Por fim, os futuros de gás natural recuam 0,68% a US$ 2,341 por milhão de unidades térmicas britânicas.

Última atualização por Bruno Andrade - 11/06/2019 - 10:29