Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Preços do petróleo entram no mercado urso com temores sobre a demanda

04/06/2019 - 12:27
Os preços do petróleo flertaram com o mercado urso nesta terça-feira, à medida que a intensificação dos riscos de uma recessão global devido a tensões comerciais

 Por Investing.com 

Os preços do petróleo flertaram com o mercado urso nesta terça-feira, à medida que a intensificação dos riscos de uma recessão global devido a tensões comerciais causou preocupações de que a demanda por petróleo bruto seria inevitavelmente prejudicada.

Os contratos futuros do petróleo West Texas Intermediate (WTI) negociados em Nova York caíam 26 centavos, ou 0,5%, a US$ 52,99 por barril, enquanto futuros do petróleo Brent, referência para os preços do petróleo fora dos EUA, negociados em queda de 37 centavos, ou 0,6%, para US$ 60,91.

Mais cedo nesta terça-feira, o o petróleo bruto e o Brent marcaram um declínio de mais de 20% em relação às altas de abril, a definição de um mercado em baixa. No momento da escrita desta matéria, eles continuavam em baixa de 20,1% e 19,4%, respectivamente.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Aumentando as tensões comerciais, particularmente entre os EUA e a China, atingiram os preços do petróleo bruto, enquanto os analistas alertavam que o aumento das tarifas poderia dificultar a demanda em um ritmo mais rápido do que a oferta apertada.

Sem sinais de alívio na disputa comercial entre Washington e Pequim, o presidente Donald Trump trouxe a luta de volta ao México com planos de aumentar paulatinamente as tarifas sobre produtos mexicanos se o vizinho do sul não intensificar seu combate aos imigrantes que atravessam ilegalmente a fronteira.

O aperto na oferta liderado pela OPEP – baseado no corte de produção as sanções americanas contra o Irã e a Venezuela estimularam uma alta desde o início do ano, mas as pressões de demanda vêm crescendo sobre essas preocupações econômicas, levando o petróleo ao seu pior desempenho mensal em seis meses em maio e ao atual mercado de baixa.

Embora uma reunião da OPEP sobre uma extensão dos cortes na produção ainda esteja oficialmente marcada para 25 de junho, com os aliados não-membros provisoriamente programados para se juntarem ao encontro no dia seguinte, o analista sênior de commodities do Investing.com Barani Krishnan sublinhou a pergunta chave para os mercados: “A voz da OPEP pode subir acima do ‘ruído’ das guerras comerciais no mercado agora?”

“O evento de 25 de junho é aquele que os especialistas em petróleo esperam que cubra a atual liquidação no mercado, e restaure pelo menos alguns dos ganhos perdidos no último mês”, disse ele.

Em outras negociações de energia, contratos futuros de gasolina recuavam 1,8% para US$ 1,7100 o galão, ao passo que o óleo de aquecimento tinha queda de 0,3% e era negociado a US$ 1,8016 o galão.

Por fim, os contratos futuros de gás natural avançavam 0,6%, para US$ 2,418 por milhão de unidades térmicas britânicas.

Última atualização por Rafael Borges - 04/06/2019 - 12:27