Últimas Notícias Eleições 2018 Comprar ou vender?
Cotações por TradingView

Pré-Market: Transferência em progresso

Olivia Bulla - 19/09/2018 - 8:12

Olivia Bulla é jornalista e escreve diariamente sobre os mercados financeiros no blog A Bula do Mercado.

A quarta-feira começa com o mercado financeiro brasileiro reagindo aos novos números do Ibope sobre a corrida presidencial, que reforçam a chance de um segundo turno entre PSL e PT, e termina com a decisão do Banco Central sobre a taxa básica de juros (Selic). Enquanto isso, lá fora, o ambiente segue calmo, em meio à esperança de solução para a guerra comercial.

Fernando Haddad foi o grande destaque da pesquisa de intenção de voto divulgada ontem à noite, ao saltar 11 pontos em uma semana e assumir a vice-liderança na disputa de maneira isolada, passando de 8% para 19%. Na liderança, Jair Bolsonaro mais uma vez oscilou positivamente dentro da margem de erro, passando de 26% para 28%. No fim de agosto, ele tinha 20%.

Embolados em terceiro lugar, aparecem Ciro Gomes, que manteve os 11%, e está tecnicamente empatado no limite da margem de erro com Geraldo Alckmin, que oscilou em baixa, de 9% para 7%. Em trajetória de queda, Marina Silva caiu de 9% para 6%, vindo de 12% no início deste mês. Ainda assim, a ex-senadora empata tecnicamente com o tucano.

De um modo geral, o resultado do Ibope foi positivo para Haddad, que vem se beneficiando da transferência de votos do ex-presidente Lula e sem impactar fortemente a candidatura de Ciro, que segue competitivo. Mas também trouxe boas notícias a Bolsonaro, que passou a oscilar em alta desde o ataque a faca sofrido durante ato de campanha em Minas Gerais.

A pesquisa, que ouviu cerca de 2,5 mil pessoas entre domingo e ontem em mais de 170 municípios,  também confirmou a desidratação de Marina e foi negativa para as pretensões de Alckmin.

Já nas simulações de segundo turno, o líder nas intenções de voto na primeira rodada das eleições empata com todos os candidatos e leva a melhor contra a Rede. Ainda assim, tal desempenho não é, necessariamente, uma boa notícia, já que no cenário da semana passada Bolsonaro tinha vantagem sobre Haddad, com 40% contra 36%, sendo que agora ambos detêm 40%.

Contra Alckmin e Ciro, o candidato do PSL oscilou em alta, ficando com 38% e 39%, respectivamente, enquanto os rivais seguiram estáveis com 38% e 40%. Por sua vez, no quesito rejeição, o candidato do PT foi o único a crescer, indo de 23% para 29%, e ficando atrás apenas do rival direto, que oscilou de 41% para 42%.

Esses porcentuais indicam que não será fácil a conquista de eleitores que votarem em outros candidatos no primeiro turno – considerando que agora só restam mesmo dois na disputa. A capacidade de união com outros partidos, formando alianças, e o apoio de diferentes públicos podem ser decisivos para o voto nas urnas já no fim do mês que vem.

Da mesma forma, é necessário manter os votos já adquiridos. Nesse sentido, Haddad tenta equilibrar o ônus de carregar o peso do PT nas costas, enquanto a equipe do PSL parece preocupada com o comportamento do vice na chapa e resolveu tutelar Hamilton Mourão, tentando unificar o discurso.

Causaram polêmica as recentes declarações do general da reserva, que vem assumindo protagonismo na campanha eleitoral, enquanto Bolsonaro segue em recuperação no hospital. Ainda mais porque o PSDB segue com a artilharia pesada contra o rival de direita, em meio à importância do voto útil nesta eleição.

Ao mesmo tempo, não se pode descartar a chance de o candidato de esquerda no segundo turno não ser do PT. E, nesse cenário, Ciro Gomes apresenta um dos menores índices de rejeição, com 17%, atrás de Alckmin (20%) e Marina (26%).

Com isso, deslizes de um ou outro candidato devem ocorrer até o dia 7 de outubro, com a possibilidade de alterações de última hora na corrida presidencial. Já o embate final, no fim do mês que vem, possui uma dinâmica própria, sendo quase que uma “nova eleição”.

É válido lembrar que Bolsonaro tem conquistado a simpatia dos investidores, em detrimento a Alckmin, por causa das ideias liberais de seu provável ministro da Economia, Paulo Guedes. Em contrapartida, o mercado financeiro vê a esquerda e, principalmente, o PT, como menos comprometido com o ajuste fiscal e as reformas tidas como necessárias à economia brasileira.

Assim, os investidores devem seguir atentos às próximas pesquisas eleitorais, sendo que amanhã tem um novo Datafolha, que encerra hoje a coleta iniciada ontem com mais de 8,5 mil eleitores. Na sexta-feira, é a vez do levantamento semanal do Ipespe, a pedido da XP Investimentos.

Na agenda econômica do dia, destaque para o Comitê de Política Monetária (Copom), à noite (18h). A previsão é de manutenção da Selic em 6,50% pela quarta vez seguida, mas o comunicado que acompanha a decisão deve vir com um tom mais duro (“hawkish”), em meio às incertezas com as eleições e a agenda de reformas, além da disparada do dólar para além de R$ 4,00.

Ainda assim, o BC deve manter certo grau de liberdade e se esquivar em sinalizar os próximos passos, já que o cenário para a inflação segue comportado e a atividade permanece fraca. Antes, na agenda doméstica, saem uma estimativa mensal sobre a economia brasileira (8h) e os números parciais de setembro sobre a entrada e saída de dólares no país (12h30).

Já no exterior, o dia amanhece com a decisão do BC japonês (BoJ), que manteve a política monetária inalterada. Entre os indicadores econômicos norte-americanos, o calendário do dia traz dados sobre o setor imobiliário em agosto (9h30) e sobre os estoques semanais de petróleo bruto e derivados no país (11h30).

Em Wall Street, os índices futuros das bolsas de Nova York estão na linha d’água, sem um viés definido para o dia, apesar do pregão positivo na Ásia, o que embala a abertura da sessão na Europa. Os investidores alimentam esperanças de que as duas maiores economias do mundo têm tempo para resolver as diferenças comerciais, na esteira das últimas taxações.

Mas parece difícil algum lado ceder. A China afirmou que não irá desvalorizar sua moeda, de modo a ganhar vantagens competitivas com um yuan (renminbi) mais barato, ao passo que Donald Trump está prestes a anunciar novas tarifas contra Pequim, depois das retaliações. Nessa queda de braço, os vencedores estão no Sudeste Asiático.

A região vem recebendo novas encomendas e linhas de produção, com muitas empresas considerando mover seus negócios para países como Filipinas e Indonésia, em meio às tensões comerciais ao Norte. Com isso, os ativos de mercados emergentes se recuperam, com as ações e moedas avançando, enquanto o dólar perde terreno. O petróleo e o cobre também avançam.

Leia mais sobre: A Bula do Mercado, Mercados
Últimas Notícias