Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Poloniex se torna uma empresa independente da Circle e deixará de atender clientes americanos

19/10/2019 - 15:00
Poloniex se torna independente da Circle pouco mais de um ano após ser adquirida por US$ 400 milhões (Imagem: Cryptowatch)

De acordo com um informe público, a Poloniex, que já foi uma das maiores bolsas de criptoativos do mundo, se separou da sua controladora, a Circle e deixará de atender clientes americanos.

Hoje, a Circle, um fundo de investimentos dos EUA, revelou que está se separando da plataforma de negociação de criptografia Poloniex para torná-la novamente uma empresa independente, “em um esforço para criar uma bolsa competitiva de criptomoedas com foco internacional”.

A Circle adquiriu a Poloniex em fevereiro de 2018, em torno do pico de interesse no mercado de criptoativos. Especulava-se que o preço da aquisição se aproximou dos US$ 400 milhões. Consideramos esse valor bem abaixo do que se supunha que a Poloniex valesse. Contudo, considerando o volume de Bitcoins movimentado na ocasião, comparado com 06/10/2017 que foi o pico dos maiores volumes transacionados foi revelador: A Circle parece que esperou o mercado desvalorizar-se para ir às compras. Comprou uma Poloniex muito menor e mais barata.

Como resultado da mudança, a plataforma de negociação não servirá mais aos clientes dos EUA após este ano. Aqueles nos EUA com uma conta no Poloniex têm até 15 de dezembro para retirar seus fundos e as negociações serão suspensas em 1º de novembro.

Para atrair usuários e liquidez, a Poloniex terá uma taxa de negociação de 0% a partir de 21 de outubro, em uma promoção que deve durar até o final do ano. Os co-fundadores do Circle, Jeremy Allaire e Sean Neville, também fizeram um anúncio, onde deixaram claro que a Circle ainda está trabalhando para criar um “sistema financeiro mais aberto, global e acessível”.

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Última atualização por Leandro França de Mello - 19/10/2019 - 13:56