Últimas Notícias Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Petróleo sobe com cortes de produção na Venezuela

Investing.com Brasil - 14/03/2019 - 14:02
Petrobras
A maior parte dos cortes da Opep em fevereiro veio da Venezuela, que enfrenta uma crise econômica e política

Por Investing.com

Os preços do petróleo subiram para a máxima de quatro meses na quinta-feira, impulsionados pelos contínuos cortes de oferta liderados pela Opep e, como mostram dados dos EUA, a produção americana desacelerou na semana passada, aumentando o otimismo de que o superávit global está diminuindo.

Carteira Money Times: O Consenso do Mercado na sua Mão

Garanta um método eficaz para gerar renda adicional periodicamente

Os contratos futuros do petróleo West Texas Intermediate (WTI) para entrega em abril na Bolsa Mercantil de Nova York ganharam 33 centavos, ou cerca de 0,57%, para 58,58 dólares o barril às 14h05 depois de chegarem a US$ 58,67 mais cedo, o maior preço desde 13 de novembro.

Do outro lado do Atlântico, contratos de petróleo Brent com vencimento para maio na Bolsa de Futuros ICE (ICE Futures Exchange) em Londres caía 21 centavos, ou cerca de 0,31%, para US$ 67,34 o barril.

Em seu relatório mensal, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo disse que sua produção de petróleo bruto caiu 221.000 barris por dia (bpd) de janeiro para fevereiro, para 30,55 milhões de bpd em média.

A maior parte dos cortes da Opep em fevereiro veio da Venezuela, que enfrenta uma crise econômica e política e está atualmente sujeita às sanções americanas.

“Estoques globais mais rígidos de cortes de oferta liderados pela OPEP e … as sanções dos EUA sobre os produtos petrolíferos venezuelanos concretizaram o apoio ao preço do petróleo ”, disse Benjamin Lu, da corretora Phillip Futures, sediada em Cingapura.

Os ganhos do petróleo também vieram quando os dados mostraram que a produção americana de petróleo bruto caiu em 100.000 barris na semana passada, o primeiro declínio em três meses.

O comércio foi limitado pela incerteza sobre as negociações comerciais entre EUA-China e pelos dados fracos da China.

A Bloomberg informou que uma reunião entre o presidente Donald Trump e o chinês Xi Jinping para assinar um acordo para encerrar sua disputa comercial não ocorrerá este mês e é mais provável que aconteça no mínimo em abril.

Enquanto isso, o crescimento da produção industrial da China caiu para uma baixa de 17 anos nos dois primeiros meses do ano, apontando para uma fraqueza ainda maior na segunda economia do mundo.

Pressionada pela fraca demanda interna e externa, a produção industrial da China aumentou 5,3% em janeiro-fevereiro, abaixo do esperado e no ritmo mais lento desde o início de 2002.

– Reuters contribuiu com esta matéria

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você
Receba dicas EXCLUSIVAS de investimento em seu e-mail – Não é propaganda