Últimas Notícias Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Petróleo recua 4% com erro de tom dos sauditas e recuo de Nicolás Maduro

Investing.com Brasil - 28/01/2019 - 16:49

Por Investing.com – A tentativa da Arábia Saudita de promover mais cortes de produção e minimizar a crise venezuelana, que muitos acreditavam ser um suporte para o preço do petróleo nesta semana, parece estar saindo pela culatra.

O West Texas Intermediate e o Brent cediam até 4% nesta segunda-feira, depois que o ministro da Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, disse à agência russa de notícias RIA que a turbulência política na Venezuela não teve impacto sobre os mercados globais de petróleo. Em vez disso, ele enfatizou novamente os cortes na produção da Arábia Saudita, que ele disse estarem acima dos compromissos originais de Riad.

+ Veja aqui quais são as pequenas gigantes da Bolsa que podem te ajudar a transformar centavos em milhões

WTI perdia US$ 2,14, ou 4%, para US$ 51,55 por barril às 15h50, enquanto o Brent, o benchmark global do petróleo, recuava US$ 2,06, ou 3,3%, para US$ 59,53.

No Brasil, o tom negativo do mercado pesa sobre as ações da Petrobras em um dia especialmente vermelho para o Ibovespa com o tombo nas ações da Vale (SA:VALE3). Os papéis preferenciais da petroleira (SA:PETR4) perdem 2,7% a R$ 24,84, enquanto os ordinários (SA:PETR3) recuam 3,3% a R$ 28,49.

A decisão do presidente venezuelano Nicolas Maduro de reverter a expulsão de diplomatas dos EUA do país também resfriou algumas tensões entre Caracas e Washington, o que trouxe alívio ao mercado e pesou sobre o petróleo.

O governo Trump alertou Maduro sobre uma “resposta significativa” – o que foi lida como sanções às exportações venezuelanas de petróleo – se diplomatas americanos fossem ameaçados ou intimidados após os EUA reconhecerem o líder da oposição Juan Guaido como novo presidente da Venezuela.

Embora a Venezuela envie apenas cerca de 500.000 barris por dia para os Estados Unidos – menos de 10% dos 5 milhões de bpd de importações, em média, por refinarias americanas – seu petróleo mais pesado é essencial para a produção de diesel e outros combustíveis nos EUA. Enquanto os Estados Unidos produzem cerca de 12 milhões de bpd de petróleo por conta própria, o destino é normalmente destinado à fabricação de gasolina.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, Falih, respondendo a uma pergunta sobre Caracas, disse que não vê necessidade de tomar medidas adicionais sobre o mercado de petróleo devido à situação na Venezuela.

Assim, não haveria necessidade de a Opep recuar dos cortes de produção que haviam iniciado desde dezembro para equilibrar a oferta e a demanda.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O WTI subiu 22% em relação às mínimas vistas perto do Natal de US$ 42,36, especialmente por causa dos cortes da Opep, embora a recente volatilidade tenha reduzido os ganhos acumulados no ano para cerca de 13%.

Para reforçar seu argumento, Falih disse em uma entrevista à Bloomberg Television que a Arábia Saudita vai bombear petróleo por seis meses em níveis “bem abaixo” do limite de produção voluntária aceito pelo acordo de cortes de petróleo da Opep. A produção de janeiro será de 10,2 milhões de barris por dia e fevereiro será de 10,1 milhões contra os 10,33 milhões originais oferecidos pelos sauditas em dezembro.

Falih disse que o acordo de produção global de petróleo deve ser reavaliado em março-abril e espera que seu impacto seja “mais de cem por cento” até então.

Receba dicas EXCLUSIVAS de investimento em seu e-mail – Não é propaganda