Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Petróleo e ouro: Veja as perspectivas para esta semana

Opinião - 23/06/2019 - 19:35
Petróleo
Trump falou de “grandes sanções adicionais” contra o Irã no sábado, antes de ficar enfurnado em Camp David (Imagem: Pixabay)

Por Barani Krishnan/ Investing.com

Há uma semana, estávamos falando de um ataque iraniano contra petroleiros. A conversa desta semana foi dominada pela queda no Irã de um drone e como o presidente Donald Trump quase retaliou, antes de suspender a ação nos minutos finais. Não seria muito surpreendente se na próxima semana que outro tipo de ataque provocador do Irã ultrapasse o limite do presidente americano.

Como Olivier Jakob, fundador da consultoria de energia suíça PetroMatrix, comentou ironicamente na sexta-feira: “Em vista das eleições de 2020, o presidente Trump está enfrentando um formidável desafio para enfrentar as provocações militares do Irã, evitando um aumento dos preços da gasolina e uma correção de o mercado de ações.”

Continua depois da publicidade

Trump falou de “grandes sanções adicionais” contra o Irã no sábado, antes de ficar enfurnado em Camp David, para planejar seu próximo passo contra a República Islâmica. O salto de 9% da semana passada no petróleo bruto West Texas Intermediate, foi o maior desde novembro de 2016. O ganho semanal do Brent de 5% foi o maior desde a semana terminada em 15 de fevereiro.

Na frente de metais preciosos, barras de ouro e futuros de ouro romperam a marca mágica de US$ 1.400, atingindo níveis próximos da máxima de seis anos. Com US$ 1.500 sendo apontado como o próximo alvo dos fãs do ouro, alguns se perguntam se o metal amarelo está melhor posicionado do que o petróleo para se beneficiar dos gritos de guerra no Oriente Médio – bem como o corte de juros amplamente esperado pelo Federal Reserve.

Resumo de petróleo

Não houve cobertura de fim de semana para o risco iraniano na semana anterior, apesar do ataque aos petroleiros. Depois desta semana, porém, não podemos ter certeza de que os operadores de risco podem ignorar mais o Irã.

A FAA (Administração Federal de Aviação dos EUA) recomendou às companhias aéreas americanas que fiquem fora dos céus do Irã e é provável que outros sigam o exemplo. A escalada militar é um risco no fim de semana.

O presidente americano primeiro disse que o Irã a cometeu um “grande erro” ao derrubar um drone norte-americano(Imagem: Isac Nóbrega/PR)

Como Jakob da PetroMatrix observou, o presidente americano primeiro disse que o Irã a cometeu um “grande erro” ao derrubar um drone norte-americano, antes de culpar um general iraniano “que era solto e estúpido”. Trump claramente não quer se engajar em uma guerra no Oriente Médio, mas será cada vez mais difícil para a Casa Branca deixar a iniciativa com o Irã sem nenhuma resposta do país.”

Em termos de preço, o spread do Brent diminuiu ainda mais e o WTI está quase no limite, apesar dos altos estoques da Cushing. A gasolina também tem recebido forte apoio após um incêndio na refinaria PES Philadelphia.

O rali de petróleo bruto pode se estender até a próxima semana se a Administração de Informação de Energia dos EUA (EIA, na sigla em inglês) emitir outro conjunto de dados forte sobre os estoques de petróleo bruto e a demanda de gasolina, como na semana que acabou de terminar.

A próxima semana será o esforço final antes das reuniões da Opep de 1 e 2 de julho e, da principal aliança de não-membros liderada pela Rússia. Normalmente, é um momento em que os ministros da Opep são mais enérgicos em falar dos preços do petróleo. E o debate diante deles sobre a extensão dos cortes de produção por mais seis meses será rico em retórica.

Somando-se a isso, estará o G20 em Osaka, onde a grande atração é o encontro altamente antecipado de Trump com o líder chinês Xi Jinping. Os preços do petróleo também podem ter outro lado positivo se o presidente e sua equipe mantiverem, como prometido, conversas positivas com o presidente da China, Xi Jinping, e com negociadores de Pequim, na reunião do G20, no próximo final de semana.

Todas estas possibilidades são hipotéticas, a propósito, porque qualquer revés pode resultar em uma nova queda nos preços do petróleo.

Calendário de energia para a semana que vem

Terça-feira, 25 de junho

Instituto Americano de Petróleo deverá publicar seu relatório semanal sobre os estoques de petróleo.

Quarta-feira, 26 de junho

EIA lançará seu relatório semanal sobre os estoques de petróleo.

Quinta-feira, 27 de junho

Relatório semanal de gás natural da EIA

Sexta-feira, 28 de junho

Dados semanais da Baker Hughes sobre a contagem de sondas de petróleo nos EUA.

Resumo de Metais Preciosos

O ouro está em alta desde o início de junho, devido à especulação de um corte de taxa de juros. Na quarta-feira, o Federal Reserve abriu as portas para um possível corte de juros no futuro, derrubando a rentabilidade da nota do Tesouro com vencimento de 10 anos abaixo de 2% – um nível psicológico chave – pela primeira vez desde novembro de 2016.

Monitor da Taxa do Fed do Investing.com prevê um corte de taxa na reunião de 30 a 31 de julho.

Taxas de juros mais baixas tornam ativos portos-seguros, como ouro que não gera rendimentos regulares, mais atraentes enquanto pesam sobre o dólar. Na sessão de sexta-feira, o índice dólar, comparado a uma cesta de seis moedas, atingiu o menor valor em três meses, de 95,76.

“Caso o ouro de agosto suba e se sustente acima de US$ 1.420, meu trabalho apontará para US$ 1.445 a 1.450 como a zona alvo seguinte “, disse Mike Paulenoff, comentarista de ouro da MPTrader.com. “Isso vai argumentar que o impulso de alta de vários anos continuará inabalável, talvez em reação à combinação de um Fed mais fácil, um USD mais fraco, expectativas inflacionárias crescentes e tensões geopolíticas aumentadas”, acrescentou Paulenoff.

ouro spot, refletindo os negócios em barras, atingiu um pico na sexta-feira de US$ 1.411,72, o maior valor desde setembro de 2013. Na semana, o ouro à vista subiu 4,4%, enquanto no mês, apresentou um ganho de 9,7%.

Os contratos futuros de ouro para entrega em agosto, negociados na divisão Comex da Bolsa Mercantil de Nova York, aumentaram em US$ 3,20, ou 0,2%, a US$ 1.400,10 por onça, na sexta-feira. Anteriormente, chegou a US$ 1.414,95, a maior desde outubro de 2013, quando subiu para quase US$ 1.454. Na semana, o ouro de agosto subiu 4,5%. No mês, mostrou um ganho de 10%.

Alguns estão falando agora de US$ 1.500 e mais, se o conflito no Oriente Médio atingir novos patamares após a queda de um drone no Golfo próximo ao Irã, e os sinais de que o Fed pode reduzir as taxas em 50 pontos base no mês que vem.

“US$ 1.500 se parece com o próximo grande objetivo”, disse Philip Streible, estrategista sênior de mercado de metais preciosos da RJO Fututres, em Chicago. “Claro, há muito para acabar com as perdas que precisa acontecer primeiro.”

Calendário de metais preciosos da semana que vem

Segunda-feira, 24 de junho

Clima de negócios do IFO da Alemanha

Terça-feira, 25 de junho

Confiança do Consumidor CB (junho)

Vendas de imóveis novos (maio)

Índice de Preços de imóveis nos EUA (maio)

Discurso de Powell, presidente do Fed

Membro do FOMC, Bullard faz discurso

O membro do FOMC Williams faz discurso

Quarta-feira, 26 de junho

Pedidos de bens duráveis (maio)

Balança Comercial (maio)

Quinta-feira, 27 de junho

Pedidos iniciais de seguro-desempregos nos EUA

Vendas pendentes de imóveis (maio)

Sexta-feira, 28 de junho

PIB do Reino Unido

IPC da zona euro (junho)

Índice de Preços do PCE Básico (maio)

PIB do Canadá

Percepção do consumidor americano da Universidade de Michigan (junho)

Leia mais sobre: Commodities, Ouro, Petróleo

Última atualização por Gustavo Kahil - 23/06/2019 - 19:35