Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Petróleo e ouro em foco: confira os destaques desta semana

Investing.com Brasil - 21/07/2019 - 18:34
Investidores atentos a movimentação de commodities (Imagem: Pixabay)

Por Investing.com

Olho por um olho? Ou, mais especificamente, um drone por um drone?

Quando se trata da crise EUA-Irã, é difícil distinguir os fatos da ficção. E qual lado ou história acreditar.

Desde que Donald Trump abalou o Irã com suas sanções, mirando não apenas seu petróleo, mas também seu presidente, Hassan Rouhani, e o líder espiritual aiatolá Ali Khamenei, o maior drama geopolítico da energia fica mais esquisito a cada dia.

Continua depois da publicidade

Em junho, o Irã abateu um drone de vigilância, aumentando as tensões no Estreito de Ormuz. Um mês depois, o presidente Trump afirmou ter conseguido o mesmo, com um drone iraniano.

O único problema é que Teerã diz que não perdeu nenhum de seus aviões de espionagem. De fato, isso sugere que os EUA pode ter acidentalmente destruído um dos seus próprios – sim – drones americanos.

Todos estes podem fazer um excelente conteúdo para uma comédia de espionagem. Mas os touros de petróleo, que perderam até 8% na semana em desmentidos dos dois lados e preocupações com a demanda do petróleo bruto, na verdade, não estão com disposição para o riso.

Além da disputa do drone iraniano, há contos de apreensão e confisco de embarcações carregadas de petróleo entre a Grã-Bretanha e Teerã. E novamente, negativas aqui e ali pela República Islâmica.

Continua depois da publicidade

À medida que a situação vai se complicando, autoridades em Washington indicam que gostariam de paz e, possivelmente, de uma cúpula no estilo da China ou da Coreia do Norte entre Trump e Rouhani. Não há necessidade de sessão de fotografia ou um documento de assinaturas em duas páginas, diz o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif. Basta remover as sanções e conversas – até mesmo um acordo – podem acontecer, acrescenta. E o drama continua, sem fim à vista. “Fases de escalada de agressões seguidas de esforços renovados de paz seriam um padrão provável”, disse a Energy Intelligence, sediada em Nova York, em seu programa Petroleum Intelligence Weekly.

Com ouro, expectativas para o corte das taxa antes do início de agosto manteve o ouro apoiado na faixa de US$1.400, conseguindo uma segunda semana consecutiva de ganhos para o metal precioso.

Mas mesmo assim, Trump apareceu. O presidente repetiu seu pedido por taxas de juros mais baixas em vários tweets na sexta-feira, acusando o Federal Reserve de aderir a um “processo de pensamento defeituoso”. Os mercados, enquanto isso, contemplam a possibilidade de um corte de 50 pontos-base na reunião de política de 30 e 31 de julho.

Resumo de energia

Questões geopolíticas predominam como fator principal de risco para petróleo (Imagem: Bloomberg)

O cerne do impasse EUA-Irã é se os dois lados conseguem concordar com qualquer coisa. Até agora, ambos evitaram tacitamente uma guerra direta – o fato de que Trump estar evitando um ataque de retaliação ao Irã há duas semanas é o melhor testemunho disso. Portanto, há esperança de um final amigável, embora seja altamente discutível se essa conclusão será satisfatória para ambos.

Continua depois da publicidade

As negociações com o Irã atingiriam instantaneamente dois dos objetivos imediatos de Trump: preços mais baixos do petróleo e uma chance de redefinir outro “erro” da era Obama.

Eventualmente, o presidente pode se vangloriar de como o “acordo Trump do Irã” é o melhor para o mundo, contra o acordo original de 2015 de Obama, que ele classificou como “pior negócio de todos os tempos”.

Concordar com negociações com o Irã faz todo o sentido para Trump, que precisa que os preços do petróleo caiam para fazer com que os preço da bomba de gasolina nos EUA mais barato antes de seu lançamento para reeleição em novembro de 2020.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

O presidente disse no passado que quer que a Opep bombeie mais 2 milhões de barris por dia de petróleo para reduzir os custos de energia para os consumidores dos EUA. No entanto, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo tem ido para o outro lado, apertando a oferta em 1,2 milhão de barris por dia desde dezembro de 2017, e quer fazer o mesmo agora até março de 2020.

A lógica obriga Trump a concordar com uma reunião com os iranianos porque os 2 milhões de bpd adicionais que ele está buscando da Opep estão lá com Teerã. Após a assinatura do acordo nuclear original de 2015 com o governo Obama e outras potências mundiais, Teerã produziu até 2,5 milhões de bpd em seu pico.

Embora seja improvável que Trump concorde em deixar de lado todas as sanções que construiu contra o petróleo do Irã e seus líderes, a fim de levar Teerã à mesa de negociações, é possível que ele possa atender a algumas demandas do Irã. Trump poderia suspender suas sanções mais questionáveis contra a República Islâmica por um período específico – digamos, três meses – para dar uma chance ao processo de paz.

As projeções do Investing.com são de que West Texas Intermediate e Brent irão cair cerca de US$5 por barril cada uma dentro de uma semana ou duas do anúncio de que o Irã e os EUA estão prontos para conversar. E cada rebote depois disso será verificado pela possibilidade de um iminente Acordo Nuclear Irã 2.0. Apenas para notar: Apesar dos dados semanais mostrando outro descomunal estoque de petróleo cru dos EUA, de acordo com os fatores iranianos, o WTI registrou nesta semana sua mais profunda perda em sete semanas.

Continua depois da publicidade

O petróleo cru também caiu esta semana, compensando as superações de danos do furacão Barry. Chegando a terra firme no centro da Louisiana no sábado como um furacão de categoria 1, Barry enfraqueceu rapidamente se transformando em uma tempestade tropical. Desde então, as companhias de petróleo reabriram suas plataformas, pressionando os preços.

No início da semana, Trump disse que um acordo comercial com a China pode não acontecer imediatamente e que ele considera tarifas mais pesadas contra Pequim, que não comprou os produtos agrícolas americanos conforme o esperado. Qualquer notícia negativa sobre a China tende a prejudicar também os preços do petróleo.

Calendário de energia para a semana que vem

Terça-feira, 16 de julho

Continua depois da publicidade

O Instituto Americano de Petróleo deverá publicar seu relatório semanal sobre os estoques de petróleo.

Quarta-feira, 17 de julho

Relatório semanal do EIA sobre os estoques de petróleo.

Quinta-feira, 18 de julho

Continua depois da publicidade

Relatório semanal de gás natural da EIA

Sexta-feira, 19 de julho

Dados semanais da Baker Hughes sobre a contagem de sondas de petróleo nos EUA.

Resumo de Metais Preciosos

Decisão de política monetária pelo Federal Reserve domina atenção dos investidores (Imagem: Pixabay)

Embora o presidente do Fed, Jerome Powell, tenha descartado repetidamente os ataques de Trump, citando a independência do banco central e a falta de necessidade de responder à pressão política de curto prazo, os mercados estão convencidos de que haverá pelo menos um corte de um quarto de ponto e 60% de chance dos corte das taxas ser de 50 pontos base após a reunião de política de setembro, de acordo com a Ferramenta Fed Rate Monitor do Investing.com. Isso colocaria a taxa básica de juros em 1,75% para 2%.

Continua depois da publicidade

Além do Fed, os bancos centrais em todo o mundo vêm adotando uma postura cada vez mais dovish em relação à política monetária, em benefício do ouro sem rendimentos.

Espera-se que o Banco Central Europeu dê sinais de mais flexibilização na próxima semana, com as chances de um corte ter superado os 50% na sexta-feira. Bancos centrais menores, como a Coreia do Sul ou a África do Sul, já agiram na quinta-feira.

As perspectivas para taxas de juros mais baixas se espalharam pelo mercado de renda fixa, resultando em US$ 13 trilhões em títulos com rendimentos negativos, aumentando o apelo do ouro.

John Reade, estrategista-chefe de mercado do World Gold Council, comparou o desempenho do ouro ao rendimento dos títulos em uma série de tweets e lembrou seus seguidores de que “zero é apenas um nível, não um piso”.

Continua depois da publicidade

Em outro fator de alta para as perspectivas, o “acúmulo” de ouro pelos bancos centrais parecia destinado a continuar no ano seguinte, de acordo com uma pesquisa conduzida pelo World Gold Council e pelo YouGov.

De acordo com a pesquisa dos bancos centrais, 54% dos entrevistados esperam que as holdings globais subam nos próximos 12 meses em meio a preocupações com os riscos em outros ativos de reserva.

Os contratos futuros de ouro para entrega em agosto, negociados na divisão Comex da New York Mercantile Exchange, caíram US$1,40 para serem negociados a US$1.426,70.

A barra de ouro subiu cerca de 0,6% na semana, apesar dos dados da habitação EUA serem mais fracos do que o esperado, enquanto o FMI chamou o dólar, “supervalorizado”.

Continua depois da publicidade

Calendário de Metais Preciosos

Terça-feira, 23 de julho

Vendas de imóveis usados nos EUA (junho)

Quarta-feira, 24 de julho

Continua depois da publicidade

PMI industrial do Japão (julho)

PMI da Indústria na zona do euro (julho)

PMI industrial dos EUA (julho)

PMI de Serviços nos EUA (julho)

Continua depois da publicidade

Vendas de imóveis novos (junho)

Quinta-feira, 25 de julho

Pedidos de bens duráveis dos EUA (junho)

Balança Comercial nos EUA (junho)

Continua depois da publicidade

Pedidos iniciais de seguro-desempregos nos EUA

Clima de negócios do IFO da Alemanha

Reunião de Política do BCE

Sexta-feira, 26 de julho

Continua depois da publicidade

PIB avançado dos EUA

Leia mais sobre: Commodities, Ouro, Petróleo

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 21/07/2019 - 18:25