Últimas Notícias Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Criptomoedas Empresas
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Petróleo avança com melhora do ambiente internacional; Petrobras sobe forte

Investing.com Brasil - 12/02/2019 - 17:45

Por Investing.com – A Arábia Saudita está sustentando os preços do petróleo com a agressividade dos cortes de sua produção. Porém, o cartel da Opep, controlado pelos sauditas, antecipou uma demanda menor por seu petróleo neste ano contra uma maior produção dos rivais.

O petróleo West Texas Intermediate, negociado em Nova York, e o petróleo Brent, de Londres e referência global da commodity, subiram mais de 2% na terça-feira. A alta é em decorrência da fala do ministro da Energia da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, que afirmou que o reino produzirá apenas 9,8 milhões de barris por dia em março. A meta estipulada por al-Falih está mais de 500.000 bpd abaixo do que o acordo estipulado em dezembro com o grupo ampliado da OPEP + 10, que inclui a Rússia e outros países produtores não-membros do cartel, para elevar os preços do petróleo bruto.

As Melhores Ações da Bolsa: Clique aqui e conheça agora

Pequenas notáveis: as small caps mais indicadas pelos analistas em fevereiro

WTI subiu US$ 1,20, ou 2,27%, para US$ 53,59 por barril às 16:30 (horário de Brasília), após perder 4,6% na semana passada, o maior declínio semanal em 2019. O Brent ganhou US$ 1,25, ou 2,03%, para US$ 62,76 por barril.

A alta influencia o preço das ações da Petrobras (PETR4), que sobem quase 4% na sessão de hoje no Ibovespa. O PETR4 era negociada a R$ 25,80, alta de 3,86%, enquanto a (PETR3) subia 3,81% a R$ 30,00. Estatal também é impulsionada pelo estágio final do processo de venda da Transportadora Associada de Gás (TAG), maior ativo isolado da companhia no programa de desinvestimento.

Os preços do petróleo também parecem se beneficiar de uma recuperação em Wall Street após um acordo preliminar feito por parlamentares americanos para evitar outra paralisação parcial do governo. Não ficou claro, no entanto, se o presidente Donald Trump aceitaria o acordo, porque não há previsão dos US$ 5,7 bilhões referentes à instalação de um muro de fronteira com o México, uma promessa de campanha de Trump.

Além disso, o otimismo foi alto em Wall Street com as negociações comerciais EUA-China, que podem resultar em um acordo. O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, e o representante comercial Robert Lighthizer chegaram a Pequim nesta terça-feira para discussões de alto nível com autoridades chinesas.

Falih, falando com o Financial Times em uma entrevista, pareceu antecipar seu anúncio para compensar o impacto da menor previsão de demanda pelo petróleo da Opep em 2019. O cartel informou que espera que a demanda por seu petróleo caia para 30,59 milhões de barris diários este ano – cerca de 240 mil bpd abaixo do que havia sido previsto em janeiro – devido à maior produção da principal rival, o petróleo de xisto dos Estados Unidos.

O ministro saudita também abordou uma lei dos EUA que pode expor a Opep a ações judiciais antitruste, dizendo que a legislação pode ser “prejudicial” para a economia global e expressou sua esperança de que os Estados Unidos “façam a coisa certa”. Um comitê da Câmara dos Deputados dos EUA aprovou o projeto conhecido como Lei de Não Produção de Óleo de Cartéis Exportadores, ou NOPEC Act, na semana passada.

Se a Arábia Saudita não conseguisse equilibrar o mercado ajustando a produção, o mundo sofreria “irremediavelmente”, disse Falih, sem dar mais detalhes. O ministro da Energia da Arábia Saudita tem sido incansável em tentar falar sobre o mercado desde o início da campanha da OPEP + 10 em dezembro.

No entanto, preocupações econômicas globais e temores de fraca demanda têm impedido o aumento do petróleo bruto, apesar do WTI ter registrado um ganho de 19% no mês passado, o maior já registrado em janeiro, e superado o teto de US$ 55 por barril. Brent também se esforçou para realizar um rally acima de $ 62.

As interrupções nos últimos dias nas principais refinarias estão fazendo com que os suprimentos da WTI aumentem no centro de armazenamento dos EUA em Cushing, Oklahoma, preparando o mercado para dados potencialmente desagradáveis ​​na próxima semana ou duas, caso não sejam resolvidos rapidamente. O American Petroleum Institute lançará às 18:30 um resumo dos dados de oferta e demanda data do governo dos EUA na semana passada. .

Existe a preocupação de que a superprodução possa estar se aproximando novamente entre os produtores de petróleo dos EUA, que podem considerar o WTI acima de US$ 50 por barril lucrativo o suficiente para aumentar a produção. A contagem de plataformas de petróleo dos EUA subiu 7 unidades na semana passada após a queda de 15 na semana anterior.