Últimas Notícias Eleições 2018 Comprar ou vender?
Cotações por TradingView

Petrobras avança com aprovação de acordo de class action nos EUA

Investing.com Brasil - 25/06/2018 - 11:47

Por Investing.com – Em meio a uma série de notícias consideraras positivas, as ações da Petrobras (PETR4) operam com ganhos nesta segunda-feira (25), mesmo diante da decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de ampliar a oferta de petróleo nos mesmo internacionais.

Na parte da manhã, as ações da companhia registram valorização de 0,46% a R$ 15,180.

Nesta segunda-feira, a estatal informou que o acordo para encerrar a ação coletiva (class action) nos Estados Unidos foi aprovado na sexta-feira “de forma definitiva” pela Corte Federal de primeira instância em Nova York.

O acordo, de quase 3 bilhões de dólares, foi assinado em janeiro. A “class action” foi movida por investidores da estatal em decorrência de perdas provocadas pelo envolvimento da companhia nos desvios revelados pela operação Lava Jato, da Polícia Federal.

Segundo a petroleira, essa decisão pode ser objeto de recurso à Corte de Apelações do Segundo Circuito, “porém, a partir de agora, a class action está encerrada em primeira instância”.

“O acordo não constitui admissão de culpa ou de prática de atos irregulares pela Petrobras, reconhecida pelas autoridades brasileiras como vítima dos fatos revelados pela operação Lava Jato”, acrescentou a empresa no comunicado.

Além disso, Ibama concedeu na sexta-feira licença de operação de uma plataforma de exploração de petróleo na área de Tartaruga, na Bacia de Campos, no litoral norte do Rio de Janeiro. A licença tem validade até 25 de junho de 2023.

O Campo de Tartaruga Verde abriga 93,2 milhões de metros cúbicos de óleo equivalente, dos quais 40,8 milhões de metros cúbicos correspondem a reservas provadas, cujo retorno comercial apresenta elevado grau de certeza.

Em pico de produção, a plataforma Campos de Goytacazes, operada pela Petrobras no pré-sal, representará cerca de 8,3 por cento do petróleo e 4,5 por cento do gás produzidos na Bacia de Campos.

Com Reuters.

Leia mais sobre: Mercados, Petrobras
Últimas Notícias