Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Perspectivas: Os 5 principais eventos internacionais desta semana

Investing.com Brasil - 23/06/2019 - 19:23
Uma sequência de discursos de autoridades do Fed, bem como novos dados econômicos e ganhos também irão comandar a atenção dos investidores

Por Investing.com – Os investidores estarão aguardando uma reunião entre os presidentes Donald Trump, dos EUA e Xi Jinping, da China, nesta semana, em meio a esperanças de um degelo nas relações comerciais, mesmo que isso altere as expectativas quanto aos cortes nas taxas do Federal Reserve.

Uma sequência de discursos de autoridades do Fed, bem como novos dados econômicos e ganhos também irão comandar a atenção dos investidores.

XP Investimentos troca 4 ações em carteira Top 5 para semana

Aqui está o que você precisa saber para começar sua semana.

1. Reunião do G20

Trump anunciou na semana passada que ele iria realizar um “encontro prolongado” com Xi paralelamente à cúpula do G20 no Japão. A reunião de dois dias começa nesta sexta-feira.

As negociações entre Washington e Pequim foram interrompidas no início de maio, depois que Trump acusou a China de recuar de compromissos anteriores, causando uma liquidação no mercado.

Trump então impôs tarifas de 25% sobre importações chinesas de US$ 200 bilhões e ameaçou impor tarifas sobre outros US$ 325 bilhões em produtos chineses, um cenário que segundo a Goldman Sachs pode afetar os mercados acionários em até 4%.

“O melhor que o mercado pode esperar do G20 é um aperto de mão e um compromisso de retomar a conversa”, disse Paul Christopher, diretor de estratégia de mercado global do Instituto de Investimento Wells Fargo em St. Louis, Missouri.

Isso pode ser suficiente para estimular o mercado cansado da guerra comercial, enquanto menos do que isso pode fazer o mercado cair.

Federal Reserve Jerome Powell
O presidente do Fed, Jerome Powell, discutirá as perspectivas econômicas e a política monetária no Conselho de Relações Exteriores, em Nova York, na terça-feira (Imagem: Federal Reserve)

2. Discursos de membros do Fed

Aparições públicas nesta semana de vários políticos do Fed serão observadas de perto após o banco central americano indicar na semana passada que poderia reduzir as taxas de juros para compensar as incertezas econômicas globais e a inflação moderada.

O presidente do Fed, Jerome Powell, discutirá as perspectivas econômicas e a política monetária no Conselho de Relações Exteriores, em Nova York, na terça-feira.

O presidente do Fed de Nova York, John Williams, e o Presidente do St Louis Fed, James Bullard, devem falar no mesmo dia. Bullard votou contra a decisão do Fed de manter as taxas suspensas na semana passada, ao invés disso era favorável a corte na taxa de um quarto de ponto percentual.

Uma incerteza que os investidores enfrentam é se negociações positivas do Trump-Xi podem atrasar o corte da taxa do Fed.

O crescimento econômico dos EUA, apesar de estar desacelerando, é forte o suficiente para que “o Fed possa se dar ao luxo de esperar um pouco” para monitorar o progresso das negociações comerciais, disse Christopher, do Wells Fargo.

Mas se os investidores tiverem que pesar a queda do comércio com a possibilidade de cortes menores do que o esperado, eles provavelmente reconhecerão “que um acordo comercial é um impulso mais poderoso para o crescimento dos EUA do que cortes do Fed”, disse Donald, da Manulife.

3. Dados econômicos dos EUA

Alguns dos principais relatórios econômicos dos EUA desta semana incluem a divulgação de dados de pedidos de bens duráveis na quarta-feira, juntamente com dados sobre o comércio internacional.

Os investidores também receberão uma atualização sobre a saúde do mercado imobiliário a partir de relatórios sobre vendas pendentes de imóveisvendas de imóveis novos e do índice de preços de imóveis.

A semana também trará a leitura final sobre o produto interno bruto do primeiro trimestre, com a previsão consensual de uma leitura não revisada de 3,1%.

A inflação está longe da meta de ficar pouco abaixo de 2% do BCE desde 2013 (Imagem: Pixabay)

4. Inflação da zona do euro

Os dados de inflação da zona do euro na sexta-feira vão dizer se o presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, estava certo em alertar que mais flexibilização monetária poderia acontecer, a menos que os preços subissem mais rápido.

A inflação está longe da meta de ficar pouco abaixo de 2% do BCE desde 2013. A taxa foi de 1,2% em maio. O banco está preocupado, mas é um dilema compartilhado pelos formuladores de políticas em muitos países, especialmente os EUA e no Japão.

Mas as palavras de Draghi deixaram uma marca. Um índice de inflação do mercado, que é seguido, de perto – o intervalo de 5 anos e 5 anos até mesmo para a frente – disparou para 1,3%, tendo ficado em níveis recordes de baixa de cerca de 1,12% antes do discurso de terça-feira.

Os economistas dizem que os indicadores da “economia real”, como salários, por exemplo, apresentam uma perspectiva de inflação menos pessimista, levantando questões sobre se a reação de Draghi às medidas de inflação baseadas no mercado é justificada.

5. Resultados que merecem atenção

A Homebuilder Lennar (NYSE:LEN) deve apresentar seu balanço antes da abertura na terça-feira, enquanto o KB Home (NYSE:KBH) deve lançar seu relatório de lucros um dia depois.

A maior empresa de remessa de encomendas do mundo, a FedEx (NYSE:FDX) divulgará seus resultados do quarto trimestre após o fechamento na terça-feira, em meio a preocupações de que seus negócios sejam atingidos pela persistente disputa comercial entre China e EUA e, a desaceleração do crescimento global.

Na quinta-feira, a Walgreens Boots Alliance (NASDAQ:WBA) deverá apresentar seu balanço antes da abertura do pregão, enquanto a Nike (NYSE:NKE) deverá fazer a divulgação após o fechamento.

A Constellation Brands (NYSE:STZ), a cervejaria da popular marca Corona, deverá anunciar seus resultados na sexta-feira antes do mercado abrir.

– Reuters contribuiu com esta reportagem

Leia mais sobre: Mercados, Wall Street

Última atualização por Gustavo Kahil - 23/06/2019 - 19:27