Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

O que esperar desta semana?

Arena do Pavini - 10/03/2019 - 21:31
A bolsa retoma os negócios nesta segunda-feira também com novo horário, fechando mais cedo, às 17 horas

Por Ângelo Pavini, da Arena do Pavini

A semana nos mercados financeiros terá como destaque o ambiente externo e o receio com a retração da economia mundial e, internamente, o início da tramitação da reforma da Previdência no Congresso, com a criação na quarta-feira, dia 13, das comissões que vão analisar o texto e propor mudanças. Ambos podem influenciar diretamente as bolsas e o dólar. Serão conhecidos também dados importantes de inflação e atividade local que podem ter impacto nos juros. A bolsa retoma os negócios nesta segunda-feira também com novo horário, fechando mais cedo, às 17 horas.

Veja os 5 principais eventos econômicos internacionais desta semana

Acompanhe o Money Times no Instagram!

Continua depois da publicidade

A reforma, ou Nova Previdência, como prefere chamar o governo, é ponto fundamental para o ajuste fiscal que vai reduzir o déficit público e deter o crescimento explosivo da dívida federal. Sem ela, não há muitas perspectivas para o governo atual, nem nenhum outro. Além disso, vai ajudar no ajuste também dos Estados, muitos quebrados ou a caminho de quebrar por conta dos inativos. A Câmara deverá criar a Comissão de Constituição e Justiça, a primeira que vai analisar o texto, e os nomes já darão uma ideia das chances de aprovação e do tempo de análise do texto.

35 empresas divulgam balanços na semana que vem; Veja lista

Os desatinos do presidente Jair Bolsonaro nas últimas semanas, admitindo rever idade mínima e outras regras da reforma, vinculando democracia à vontade das Forças Armadas ou criando polêmicas infrutíferas sobre Carnaval e sexo explícito, terão seus efeitos no Congresso.O consolo é que há sinais de que a reforma da Previdência terá apoios de vários partidos e de lideranças importantes, como o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e do Congresso, Davi Alcolumbre, e que podem compensar a inabilidade do Executivo.

Inflação mais alta, mas confortável

Na economia, o destaque da semana será a inflação oficial de fevereiro, medida pelo IPCA do IBGE, que sai na terça-feira. A projeção do mercado é de alta de 0,30% . O Banco Safra trabalha com 0,39% e um acumulado em 12 meses de 3,85%, confortável diante da meta do Banco Central (BC), de inflação de 4,25% este ano.

Continua depois da publicidade

Assim, o mercado continuará especulando com uma nova queda dos juros este ano, principalmente se a reforma da Previdência for aprovada e a economia continuar fraca. Já a Guide Investimentos, que tem uma pesquisa diária sobre inflação, calcula que o IPCA está subindo 0,54% até dia 7.

Nesta semana saem a Produção Industrial brasileira de janeiro estimada pelo IBGE (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Produção industrial, vendas no varejo e serviços

Falando em economia, nesta semana saem a Produção Industrial brasileira de janeiro estimada pelo IBGE na quarta-feira e, na quinta, as Vendas no Varejo. O Safra projeta uma queda de 0,4% na produção industrial em relação ao mês anterior e de 1,6% sobre o mesmo mês do ano passado. Já para o varejo, o banco projeta crescimento de 0,1% no mês sem contar veículos e materiais de construção e o mesmo percentual de alta com esses dois itens.

Na sexta-feira o IBGE divulga os dados do setor de serviços. Esses indicadores devem mostrar como a economia está se comportando neste início de ano, depois do desempenho fraco no fim do ano passado. Na semana passada, as projeções de crescimento para este ano caíram, conforme pesquisa feita pelo Banco Central no boletim Focus, que sai toda segunda-feira.

Leilões da ANAC

O Banco Fator destaca que esses serão os primeiros números de atividade de 2019. Na sexta-feira serão realizados leilões de aeroportos pela ANAC, marcando o primeiro passo do governo da agenda de privatizações anunciada pelo Ministério da Economia. Tais leilões estão prontos desde o final de 2018.

Continua depois da publicidade

Atividade: o mundo cresce ou empaca?

No exterior, os investidores estarão atentos aos dados de atividade nas principais economias para conferir se há risco de recessão nos próximos anos, como ficou claro na semana passada, após o Banco Central Europeu (BCE) reduzir as projeções de crescimento da região e adiar a alta dos juros e a China anunciar queda nas exportações. Segundo o Banco Votorantim, serão divulgados dados de indústria e comércio nos EUA, Europa e China. Também importante serão os dados de inflação americana e crédito na China. No âmbito de política monetária, o Banco do Japão deve se reunir, mas não é esperada nenhuma ação importante, acredita o Votorantim.

Para Álvaro Bandeira, economista-chefe do banco digital ModalMais, o mercado vai seguir vivendo de susto em susto, até que a situação local e internacional tenha paradeiro, para melhor ou pior. Do lado externo, na próxima semana poderemos ter alguma luz sobre o Brexit com a votação do acordo que a primeira-ministra Theresa May pretende negociar com a União Europeia.

Para o Banco Fator, o destaque na Europa será a votação da proposta do Brexit de Theresa May novamente pelo Parlamento britânico na próxima terça-feira, dia 12. As expectativas, contudo, são pessimistas para a primeira ministra, que já prepara opções no caso de mais uma derrota: nos dias seguintes o Parlamento deve votar se o Reino Unido irá sair sem assinar um acordo com a União Europeia ou se vão solicitar uma extensão do prazo final do processo, marcado para o dia 29 deste mês.

Já nos EUA, as atenções estarão nas negociações entre China e os americanos para reduzir o superávit comercial chinês. Apesar das declarações otimistas de Trump, Bandeira lembra que há arestas na área de propriedade intelectual e funcionários do governo admitem que existem muitas arestas. “O mundo precisa que seja clareado, pois muito depende para traçar cenários mais coloridos ou nos 50 tons de cinza”, ironiza. Não é por outra razão que a desaceleração econômica global está fazendo parte diariamente do cardápio dos investidores e organismos multilaterais, afirma.

Continua depois da publicidade
Bolsonaro “queima trunfos de graça e dá margem para interpretações diversas sobre suas falas, diz analista  (Alan Santos/PR)

Queimando trunfos e afastando estrangeiros

No cenário local, Bandeira nota que Bolsonaro “queima trunfos de graça e dá margem para interpretações diversas sobre suas falas, muito explorada pela oposição”. Com isso, investidores estrangeiros e fundos elevaram apostas contra a moeda real no mercado futuro e o dólar volta a disparar.

Para o economista, Bolsonaro precisa tomar a frente na divulgação da reforma da Previdência e adotar medidas de ajustes na área econômica que independam de votações do Congresso, por exemplo, acelerar processos de privatização, definir cessão onerosa, atuar sobre desonerações, etc.

Usando análise gráfica, Bandeira acredita que, por ora, o Índice Bovespa não deveria perder a faixa de 93.400 pontos, sob risco de cair ainda mais. Para cima haveria grande espaço, desde que a situação comece a ser melhor definida.

Leia mais sobre: Arena do Pavini, Mercados

Última atualização por Gustavo Kahil - 10/03/2019 - 21:31