Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

O que esperar das commodities e o efeito sobre Vale, Fibria, Suzano e Gerdau

Conrado Mazzoni - 10/01/2018 - 16:41

O Itaú BBA prevê um 2018 favorável para as commodities assim como o ano passado após o ciclo fraco de 2009 a 2016. Os analistas veem menor ameaça chinesa ao excesso de oferta em razão das iniciativas da China em prol do controle da poluição. Eles elegem Ternium, Vale (VALE3), Fibria (FIBR3) e Suzano (SUZB5) como as Top Picks com “valuations ainda atraentes”.

Gostou desta notícia? Receba nosso conteúdo gratuito

“Esperamos que 2018 seja outro ano sólido para commodities, com as ações de papel e celulose e de siderurgia e mineração recuperando gradualmente a influência e a participação nos índices”, diz relatório enviado a clientes e assinado por Daniel Sasson e Carlos Eduardo Schmidt.

Continua depois da publicidade

Além da questão sobre a China, a dupla do Itaú BBA enfatiza a recuperação da economia brasileira e o crescimento mundial em um ambiente de “oferta disciplinada” nos setores de minério de ferro e celulose que, provavelmente, refletirá em preços e margens mais estáveis.

Na onda de racionalidade no setor, os analistas esperam um “re-rating” para as ações da Vale em razão da maior previsibilidade e flexibilidade na produção.

Na siderurgia, enquanto a preferida na América Latina é a Ternium, “no Brasil, nossa preferência é pela Gerdau (GGBR4), que deverá ser beneficiada pelos preços mais elevados (5%) e pelos volumes no mercado interno (8%)”. A expectativa é que a empresa apresente um Ebitda de R$ 2,3 bilhões neste ano depois do R$ 1,9 bilhão em 2017.

No caso das fabricantes de papel e celulose, Sasson e Schmidt destacam que Fibria e Suzano estão sendo negociadas na B3 com múltiplos abaixo da média histórica. Por isso a visão otimista, apesar dos preços conservadores da celulose em 2018.

“Por fim, a possível fusão entre a Fibria e a Suzano não deve ser descartada, pois agregaria um valor significativo, com o VPL [Valor Presente Líquido] das sinergias estimado em US$ 3 bilhões.”

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você