Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Nova era de viagens aéreas na Argentina já está em risco; Fernández é a nova ameaça

14/11/2019 - 8:02
Transformação do mercado, com um ambiente mais competitivo, está ameaçada por um poderoso inimigo em potencial: o novo presidente da Argentina (Imagem: Twitter Alberto Fernandez)

Passageiros de companhias aéreas argentinas haviam começado a desfrutar das vantagens oferecidas pelas operadoras de baixo custo. Agora, a transformação do mercado, com um ambiente mais competitivo, está ameaçada por um poderoso inimigo em potencial: o novo presidente da Argentina.

Embora Alberto Fernández não tenha detalhado os planos para o setor, o presidente eleito enfatizou durante a campanha a necessidade de impulsionar a estatal Aerolíneas Argentinas. Mauricio Macri, derrotado nas eleições, liderou medidas que permitiram às aéreas de baixo custo disputarem passageiros com mais eficácia desde o ano passado.

A vitória esmagadora de Fernández – alimentada pela rejeição dos eleitores às medidas de austeridade adotadas como contraparte a um empréstimo de US$ 56 bilhões do Fundo Monetário Internacional – põe em perigo uma abertura do setor de aviação que permitiu que meio milhão de passageiros voassem pela primeira vez.

A Flybondi, maior companhia aérea de baixo custo, causou polêmica na semana passada depois que o ex-presidente da empresa chamou o partido de Fernández de “câncer” em mensagens pessoais vazadas.

“O governo Fernández pode dificultar muito a entrada de novatas e favorecer a Aerolíneas Argentinas”, disse Savanthi Syth, analista do setor aéreo da Raymond James.

Segundo Syth, existe o risco de que o ambiente no mercado argentino, de certa forma favorável, seja revertido com uma mudança de governo com barreiras à competição e a novos concorrentes.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Menos viagens

Empresas como Flybondi, Norwegian Air Shuttle ASA e JetSmart do Chile inundaram a Argentina que, segundo Syth, registra o menor número de viagens da América Latina por pessoa depois da Venezuela.

A Argentina registrou 14,2 milhões de passageiros domésticos em 2018, um aumento de 13% em relação ao ano anterior, e as aéreas de baixo custo agora operam 40 rotas, com mais de 3,4 milhões de passageiros transportados desde o início de 2018, segundo o Ministério dos Transportes.

Aerolíneas Argentinas Setor Aéreo
Subsídios para a estatal Aerolíneas Argentinas devem somar US$ 300 milhões este ano, acima dos US$ 197 milhões em 2018 (Imagem: Facebook da Aerolíneas Argentinas)

“Continuaremos a fazer o que sabemos fazer: ser eficientes, demonstrando que nosso modelo não tem partido político”, disse Mauricio Sana, diretor comercial da Flybondi, em comentários antes da polêmica envolvendo o ex-presidente da empresa, Julian Cook.

O executivo deixou o conselho da Flybondi na semana passada após as críticas contra o partido do presidente eleito.

Subsídios em alta

Os subsídios para a estatal Aerolíneas Argentinas devem somar US$ 300 milhões este ano, acima dos US$ 197 milhões em 2018, devido à recente volatilidade cambial, disse Guillermo Dietrich, ministro dos Transportes do governo Macri.

Outro obstáculo vem da força dos sindicatos, que exigem mais pilotos e mecânicos por avião do que outras empresas que operam no país, disse.

Argentina Bandeira
Muitas aéreas de baixodiversificado riscos em meio à turbulência. custo têm (Imagem: Reuters/Marcos Brindicci)

“Trabalhamos duro para cortar custos”, disse. “Para reduzir os quilos na aeronave, analisamos tudo, desde a digitalização de manuais até mexedores de café.”

Muitas aéreas de baixodiversificado riscos em meio à turbulência. custo têm  Quatro delas anunciaram este ano que estão lançando rotas para o Brasil, o maior mercado da região.

No entanto, o destino delas depende do que acontece na Argentina.

“Nada está claro por enquanto”, disse Sana, da Flybondi.

Última atualização por Lucas Simões - 14/11/2019 - 8:02