Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Muro de Berlim: 30 anos depois, salários na Alemanha Oriental são 20% mais baixos

Bloomberg - 09/11/2019 - 12:40
Muro de Berlim Alemanha
À época da queda do muro, milhares de empresas foram fechadas, vendidas em privatizações e mais de 3 milhões de pessoas perderam o emprego (Imagem: Pixabay)

Diana Lehmann tinha seis anos quando o Muro de Berlim foi derrubado.

Cerca de um mês depois, lembra, seus pais levaram a família para a Baviera em seu Trabant, fabricado na Alemanha Oriental, para experimentar essa estranha nova liberdade recebida.

Com os US$ 50 de “boas-vindas” do governo da Alemanha Ocidental para gastar, os pais de Diana a levaram a uma loja de brinquedos. Mas havia muita coisa.

No Leste, ela tinha a opção de um bicho de pelúcia marrom ou cinza. No Ocidente, a variedade de opções, cores brilhantes e piscas-piscas eram desconcertantes. Saíram da loja com grande parte do dinheiro no bolso.

O choque estava apenas começando.

Muro de Berlim Alemanha
Nas eleições estaduais do mês passado na Turíngia, o partido de extrema direita Alternativa para a Alemanha ficou com 23% (Imagem: Pixabay)

Para muitos de fora, a reunificação alemã foi um sucesso histórico – os guardas comunistas que abriram os portões para o Ocidente há exatamente 30 anos completados no sábado, 9 de novembro, estavam ajudando a acabar com a Guerra Fria e espalhar a democracia pelo leste europeu.

Mas, para os que se lançaram na realidade do capitalismo da noite para o dia, a transição foi brutal.

Milhares de empresas foram fechadas, milhares vendidas em privatizações e mais de 3 milhões de pessoas perderam o emprego. Lehmann, que agora é parlamentar na assembleia estadual da Turíngia, diz que, ao crescer, não conhecia uma única família que não tivesse sido afetada.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

“No Ocidente, há muito pouco entendimento do que a transformação significou para a vida das pessoas no Oriente”, diz, ao passar pela torre de Jena, onde cresceu nos precários anos após a reunificação.

Com a batalha entre globalização e populismo ainda viva em todo o mundo ocidental, essas cicatrizes colocam o leste da Alemanha na linha de frente novamente.

Muro de Berlim Alemanha
O desemprego convergiu gradualmente com o Ocidente – em outubro, era de 6,1% contra 4,6% (Imagem: Pixabay)

O desemprego convergiu gradualmente com o Ocidente – em outubro, era de 6,1% contra 4,6%. Mas os salários ainda são cerca de 20% mais baixos do que no Ocidente, e o êxodo pós-reunificação deixou para trás uma sociedade que envelhece rapidamente e que pode novamente ficar do lado errado da história.

Com Donald Trump insistindo no lema “America First”, enquanto os defensores do Brexit em Londres e nacionalistas em Budapeste puxam os dois lados da União Europeia, muitos no Leste pensam que o governo é rápido em ajudar estrangeiros ou ricos enquanto muitos cidadãos são esquecidos.

Nas eleições estaduais do mês passado na Turíngia, o partido de extrema direita Alternativa para a Alemanha ficou com 23%, dobrando sua participação e criando um impasse na legislatura. Os sociais-democratas de Lehmann ficaram em quarto lugar, com apenas 8%.

“Essas tendências existem em todo o mundo”, disse Ilko-Sascha Kowalczuk, historiador de Berlim Oriental e autor de um livro sobre a reunificação. “Mas estão acontecendo de maneira mais rápida e dramática na Alemanha Oriental.”

Última atualização por Gustavo Kahil - 09/11/2019 - 12:40