Últimas Notícias Tesouro Direto Nova Previdência Cotações Comprar ou Vender Cripto
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Monopólio da B3 em Bolsa de Valores está com os dias contados

Gustavo Kahil - 04/03/2018 - 11:54
B3 poderia perder até 15% em participação de mercado, avalia o Santander

O risco de concorrência no mercado de renda variável, que sempre rondou a BM&FBovespa e agora B3 (BVMF3), nunca esteve tão perto de virar realidade. A ATS Brasil (Americas Trading Systems Brasil), operando desde 2013 e com sede no Rio de Janeiro, busca até 8% de participação no segmento para atingir o ponto de equilíbrio dos seus negócios. O Santander estima esse nível em 10%.

Gostou desta notícia? Receba nosso conteúdo gratuito

A ATS acredita que pode chegar a algo próximo a 7% de participação de mercado depois de um ano de operação, 15% depois de dois anos e 25% em três anos, explica o banco em um relatório publicado na semana passada e assinado por Henrique Navarro e Olavo Arthuzo. Para eles, a perda de participação de mercado de 10-20% é possível para a B3, ainda que considerada a forte participação do volume de investidores de alta frequência (HFT, na sigla em inglês).

Continua depois da publicidade

A entrada de um participante estrangeiro sempre foi dificultada por barreiras tecnológicas e pelo uso da Central Depositária de Títulos e Valores Mobiliários da B3 que, em tese, deveria oferecer os seus serviços para qualquer novo entrante, mas a qualquer preço também. Isso já deixou pelo caminho os planos da BATS e Direct Edge no país. Só a ATS continua a sonhar e, de acordo com Navarro e Arthuzo, deve começar as atividades após o final de 2018.

O Santander lembra que um painel de arbitragem começará em breve a deliberar sobre o preço para a transferência do serviço a ser fornecido pela Central Depositária. “O CADE espera contar com uma decisão em até seis meses; até lá, a B3 pode ter que lidar com taxas de pós-negociação possivelmente reduzidas”, ressalta.

Impacto

O caminho ainda é tortuoso e complicado, mas o banco avalia que é possível esperar um impacto de 11% sobre o cenário-base para a B3. Isso seria reflexo de uma perda de participação de mercado de 15% em negociação e compensação, e uma diminuição de 8% em taxas de negociação/compensação.

“Acreditamos que a estrada pode, em última instância, se tornar acidentada para a B3 e que o mercado pode reagir de modo exagerado acima desse “impacto potencial de preço-alvo” por meio da precificação em um cenário ainda mais em deterioração, impulsionado por notícias negativas sobre concorrência e regulamentação”, ressalta o banco.

Money Times no Messenger!
Notícias selecionadas para você