Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Marfrig fecha em alta de 6% com aumento de produção em SP para mercado chinês

Investing.com Brasil - 13/09/2019 - 17:40
Por conta de maior demanda de exportação para a China, empresa vai ter que contratar mais de 400 funcionários (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

Por Investing.com 

Com uma maior demanda para exportação de carne bovina para a China, a Marfrig (MRFG3) anunciou na quinta-feira que irá contratar 400 novos funcionários para a fábrica de Promissão, no interior de São Paulo. Com isso, a companhia passa a ter um segundo turno de atividade na planta paulista.

Desta forma, as ações da empresa fecharam esta sexta-feira (13) em alta de 6,44%, negociadas a R$ 9,59. Em 2019, os papéis acumulam ganhos de 66,67%, sendo que somente em setembro o avanço é de 8,86%.

Recentemente a Marfrig também recebeu a habilitação de mais duas unidades para atender a China, sendo elas Tangará da Serra e Várzea Grande, ambas no estado Mato Grosso. Com isso, a Marfrig passou a ter onze unidades com permissão de exportação para o país asiático, sendo cinco no Brasil, quatro no Uruguai e duas na Argentina.

CEO da operação América do Sul da companhia, Miguel Gularte, destaca que a Marfirg é a empresa brasileira que tem o maior número de plantas habilitadas na América do Sul para exportar para o gigante asiático, em um total de onze unidades aprovadas, comprovando, segundo ele, a eficiência operacional, permitindo aumentar a quantidade de produto disponível para esse mercado.

Com o surto de gripe suína africana na China, a indústria passa a contabilizar os efeitos de uma maior demanda do gigante asiático por produtos brasileiros. O país lida com problema de oferta ao ver suas criações atingidas pela doença, que tem atingido diversas regiões produtoras da China, maior consumidor mundial do produto.

A representatividade da China no setor de proteína animal brasileiro passou de 8% do total dos embarques, em 2005, para 26% neste ano, atingindo 46% em segmentos como suínos.

Última atualização por Renan Dantas - 13/09/2019 - 17:41