Últimas Notícias Imóveis Carteiras recomendadas Comprar ou vender Finanças Pessoais Cripto Economia
Cotações por TradingView

Comprar ou vender?

Mais R$ 200 bilhões podem desembarcar na Bolsa brasileira

Gustavo Kahil - 31/01/2018 - 13:06
Segundo o BTG, há mais R$ 200 bilhões (US$ 62 bi) ansiosos para desembarcar por aqui Foto: (Pixabay)

Se é o investidor estrangeiro que está dando o impulso fundamental para a valorização de 12,74% do Ibovespa em 2018, com a entrada líquida de R$ 9,528 bilhões no ano, ele deve continuar a ser o protagonista do mercado brasileiro caso o cálculo do BTG Pactual se concretize. Segundo o banco, há mais R$ 200 bilhões (US$ 62 bilhões) ansiosos para desembarcar por aqui.

Gostou desta notícia? Receba nosso conteúdo gratuito

“Embora os baixos níveis de alocação revelem a cautela contínua (extrema) dos investidores estrangeiros quando se trata de investir no Brasil, vemos enormes entradas potenciais nas ações brasileiras”, dizem os analistas Carlos Sequeira e Bernardo Teixeira em um relatório enviado a clientes nesta quarta-feira (31).

Segundo eles, assumindo os níveis de outubro de 2014, um pouco antes da reeleição da ex-presidente Dilma Rousseff, e considerando os patamares atuais dos ativos sob gestão de fundos em todas as categorias, a análise revela que duas centenas de bilhões de reais podem dar uma alavancada adicional nos ativos negociados na B3.

110 mil pontos

Em uma análise recente, o BTG disse que o cenário sem Lula pode abrir espaço para o Ibovespa chegar aos 110 mil pontos. “Os mercados provavelmente continuarão o rali uma vez que a decisão unânime limita consideravelmente o número de estratégias legais que a defesa do ex-presidente pode usar”, explicaram os analistas.

Os analistas ressaltaram quatro principais condições que sustentam esta visão:

1 – A retomada da economia pode ser mais forte do que a inicialmente prevista, abrindo espaço para apoiar um crescimento de 18% dos lucros das empresas em 2018;

2 – A alocação para as ações brasileiras ainda está em níveis historicamente baixos;

3 – A antecipada precificação pelo mercado de um cenário sem reformas em 2018;

4 – Apesar de não ser mais uma barganha, o BTG ainda observa um potencial de valorização para a Bolsa.

O BTG Pactual calcula que em um cenário de taxas de juros reais a 3% e crescimento econômico de 3% por um período maior, possível com um presidente alinhado às reformas fiscais, o índice poderia buscar o nível dos 110 mil pontos.

“A eleição de um presidente reformista nas próximas eleições presidenciais poderia apontar nessa direção”, destacou o banco.

Últimas Notícias