Quer saber o que comprar agora na Bolsa? Receba as melhores dicas do Brasil

Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Mais de 1,5 mil motoristas de aplicativo se registram como microempreendedores individuais

Renan Dantas - 29/08/2019 - 17:27
Os motoristas de aplicativos estão descritos na categoria de outros transportes rodoviários de passageiros não especificados (Imagem: Pxhere)

Depois que os motoristas de aplicativos foram autorizados a aderir ao Microempreendedor Individual (MEI), 1.577 mil profissionais da categoria aderiram ao programa. A mudança ocorreu em agosto, quando o Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou no Diário Oficial da União a alteração da resolução 140.

Os motoristas de aplicativos estão descritos na categoria de outros transportes rodoviários de passageiros não especificados. Como MEI, o profissional tem garantido a cobertura previdenciária com auxílio-doença, aposentadoria por idade ou invalidez e auxílio-maternidade, entre outros.

Ao se tornar um microempreendedor individual, os profissionais pagam mensalmente um imposto fixo de R$ 54 e podem abrir conta corrente empresarial. O faturamento máximo da categoria é de R$ 81 mil anualmente, o que equivale a R$ 6.750 por mês.

Primeiro motorista de aplicativo MEI

O motorista de aplicativo Marcelo Pereira de Souza, de 42 anos, foi o primeiro a aderir ao microempreendedor individual. Antes, ele trabalhava como motorista de guincho, em regime CLT.  Se formalizar como MEI foi a forma que ele encontrou para retomar seus direitos.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

“Eu não gosto de dar motivo para trabalhar errado. Um exemplo é quando, no aplicativo com o qual atuo, exigiram vistoria do veículo. Fui informado e rapidamente corri para fazer”, conta. “Quando vi a oportunidade de abrir a MEI como motorista de aplicativo, pensei: por que não fazer? É um benefício meu”, disse Souza.

Além de motorista de aplicativo, Souza também se formalizou como habilitado a fazer transporte de passageiros, de carga e reboque. “Desde jovem trabalho com cargas, então consegui abranger as atividades que posso exercer. Hoje, porém, o aplicativo é meu ganha-pão”, concluiu.

Última atualização por Diana Cheng - 29/08/2019 - 17:27