Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Macri anuncia medidas de alívio para argentinos

Reuters - 14/08/2019 - 11:13
Mauricio Macri
Medidas de Macri prometem aliviar perdas no mercado financeiro argentino, após triunfo da oposição (Imagem: Reuters/Agustin Marcarian)

O presidente argentino, Mauricio Macri, anunciou nesta quarta-feira várias medidas para aliviar o impacto sobre a população da queda dos mercados financeiros provocada pela vitória do candidato de oposição Alberto Fernández nas eleições primárias.

A vitória esmagadora de Fernández nas eleições primárias de domingo foi um duro golpe às chances de reeleição de Macri e afetou os mercados financeiros com receios de que a Argentina pudesse voltar às políticas econômicas intervencionistas do governo anterior.

Os anúncios não conseguiram acalmar o mercado de câmbio em um dia de perdas nas bolsas internacionais. O peso caía 12,3%, a 61 por dólar, e acumula perdas de quase 26% na semana.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Em uma tentativa de se recuperar na cena política, Macri disse que cortará o imposto sobre a renda, aumentará os subsídios para os pobres e congelará por 90 dias os preços dos combustíveis, entre outras medidas.

“As medidas que tomei e que vou compartilhar com vocês agora são porque eu escutei vocês. Ouvi o que vocês queriam me dizer no domingo”, disse Macri.

“Essas são medidas que trarão alívio para 17 milhões de trabalhadores e suas famílias”, disse Macri, em uma mensagem gravada antes da abertura do mercado.

O governo elevará em 20% o piso a partir do qual os empregados pagam o imposto sobre a renda, dará dois pagamentos extras –até as eleições de outubro– às famílias que utilizam o subsídio por pobreza e devolverá impostos a trabalhadores.

O conjunto de medidas terá um custo fiscal de 40 bilhões de pesos (678 milhões de dólares).

Fernández, que tem a ex-presidente Cristina Fernández como sua companheira de chapa, liderou as eleições primárias com uma margem de 15 pontos percentuais à frente de Macri, bem mais do que o esperado.

Última atualização por Lucas Simões - 14/08/2019 - 11:14